22 C
Rio de Janeiro
terça-feira, outubro 20, 2020
- Publicidade -

A Apple está rejeitando aplicativos de coronavírus que não são de organizações de saúde, dizem os fabricantes de aplicativos

- Publicidade -
- Publicidade -

Tim Cook, CEO da Apple Inc., fala durante a Apple Worldwide Developers Conference (WWDC) em San Jose, Califórnia, EUA, na segunda-feira, 4 de junho de 2018. David Paul Morris | Bloomberg A Apple está reprimindo aplicativos relacionados ao surto de coronavírus COVID-19 que não são de instituições reconhecidas como governos ou hospitais, disseram os desenvolvedores do iPhone à CNBC. Quatro desenvolvedores independentes disseram à CNBC que a Apple rejeitou seus aplicativos, o que permitiria às pessoas visualizar estatísticas sobre quais países confirmaram casos do coronavírus COVID-19. Alguns desses aplicativos usavam dados públicos de fontes confiáveis, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), para criar painéis ou mapas ao vivo. Alguns desenvolvedores pediram para não serem identificados para evitar mais complicações com o processo de revisão da Apple. Um desenvolvedor disse que um funcionário da Apple explicou por telefone que qualquer coisa relacionada ao coronavírus deve ser divulgada por uma organização ou governo oficial de saúde. Outro desenvolvedor recebeu uma resposta por escrito de que “aplicativos com informações sobre informações médicas atuais precisam ser enviados por uma instituição reconhecida”, de acordo com uma captura de tela vista pela CNBC. A Apple tem avaliado especificamente os aplicativos de coronavírus para impedir a disseminação de informações erradas. Ele analisa a origem dos dados de saúde e se os desenvolvedores representam organizações nas quais os usuários podem confiar para publicar dados precisos, como governos ou organizações focadas na saúde, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto. A restrição parece estar funcionando, pois os resultados da pesquisa mostram poucos aplicativos sobre o surto e nenhum spam óbvio. Mas também pode reduzir a disponibilidade de software que permita aos usuários do iPhone rastrear o surto e levantar questões de justiça sobre quem pode desenvolver aplicativos para iPhones. A mudança ocorre porque as grandes empresas de tecnologia enfrentam os efeitos das informações erradas relacionadas ao surto de coronavírus em suas plataformas. No mês passado, a Amazon alertou os vendedores de que anularia listas de produtos que alegam matar o coronavírus. O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, escreveu na terça-feira que “está focado em garantir que todos possam acessar informações confiáveis ​​e precisas” sobre o surto e está removendo conteúdo com teorias da conspiração. O Google apresenta informações da Organização Mundial da Saúde na parte superior das pesquisas do Google sobre o coronavírus em um módulo especial e proibiu anúncios de produtos anti-coronavírus. “No momento, o setor de tecnologia está trabalhando duro para garantir que as plataformas não sejam usadas para fornecer às pessoas informações falsas ou, ainda pior, perigosas sobre o coronavírus”, disse Morgan Reed, presidente da App Association, um grupo do setor que representa desenvolvedores de aplicativos. “Estamos vendo uma pressão significativa por dentro e por fora para interromper aplicativos e anúncios antes que eles prejudiquem os cidadãos.” Uma pesquisa por “coronavírus” na App Store na quarta-feira nos Estados Unidos revelou resultados principalmente benignos. O principal resultado foi um aplicativo em português sobre o surto publicado pelo governo brasileiro. Abaixo, havia um aplicativo de papel de parede não relacionado, um jogo parecido com o jogo epidêmico de maior bilheteria, Plague Inc, o aplicativo da Canadian Broadcasting Corporation, o Epoch Times, e um aplicativo com informações COVID-19 publicadas pela Unbound, desenvolvedora de aplicativos médicos. O principal resultado para “COVID 19” é um “rastreador de vírus” de um desenvolvedor chamado Healthlynked com figuras e mapas da OMS onde estão confirmados os casos. Atualmente, é o número 2. para aplicativos médicos na loja de aplicativos da Apple nos Estados Unidos. Abaixo disso, está o aplicativo Unbound e vários aplicativos no idioma chinês. A App Review, o departamento da Apple que monitora manualmente todos os aplicativos do iPhone antes de serem disponibilizados para download nas plataformas da Apple, conta com um documento chamado Diretrizes de Revisão da App Store para justificar suas decisões às empresas de software sobre o que é permitido nos iPhones. que tiveram os aplicativos de coronavírus rejeitados pela Apple, disseram que os revisores citaram uma diretriz numerada 5.2.1, que diz que “os aplicativos devem ser enviados pela pessoa ou entidade legal que possui ou licenciou a propriedade intelectual e outros direitos relevantes”. Zachary Shakked, que cria aplicativos para ajudar pequenas empresas a gerenciar contas de mídia social, disse que apesar de simpatizar com a necessidade da Apple de evitar informações erradas, ele publicou aplicativos no passado com classificações altas e centenas de milhares de downloads e sugeriu um sistema em camadas para separar spammers ou informações incorretas Uma política atualizada publicada pela Apple na quarta-feira tem um novo item, 5.1.1.ix, que é c perder para o que os desenvolvedores disseram que foram informados. Aplicativos em campos “altamente regulamentados”, como assistência médica, serviços financeiros ou viagens aéreas, precisam ser enviados por uma “entidade legal que fornece os serviços, e não por um desenvolvedor individual”. As políticas da Apple App Store têm criticado por serem inescrutáveis, e alguns concorrentes alegaram que a Apple tem poder demais, já que a App Store é a única maneira de distribuir software para iPhones ao público. O CEO do Spotify Daniel Ek escreveu em 2019 que as regras da App Store “limitam propositadamente a escolha e sufocam a inovação à custa de a experiência do usuário “e registrou uma queixa na UE. Em uma audiência no congresso em janeiro, o consultor jurídico da Tile, que faz um aplicativo para a App Store, testemunhou que a Apple” pode mudar as regras quando quiser “. O fundador do Basecamp, David Heinemeier Hansson, disse na mesma audiência que todo “fabricante de aplicativos que usa a App Store vive com medo de que seu aplicativo seja negado” e que o processo de apelação faria “Kafka corar”. Google reprimindo também o Google Play, o Android do Google loja de aplicativos, possui uma regra contra aplicativos que “capitalizam um desastre natural” ou “atrocidade” ou parecem “lucrar com um evento trágico sem nenhum benefício perceptível para as vítimas”. Na quinta-feira, uma pesquisa por “coronavírus” ou “COVID-19” não obteve resultados na loja de aplicativos do Google nos Estados Unidos, uma ação intencional do Google para evitar informações erradas. O Google Play também publicou um site chamado “Coronavirus: Mantenha-se informado” com aplicativos sugeridos, incluindo software do CDC, Cruz Vermelha e Twitter. O Google não tinha um comentário para esta história. Alguns aplicativos populares do Android relacionados ao coronavírus não estão disponíveis para iPhones. Na quarta-feira, um dos principais aplicativos Android gratuitos da Coréia do Sul, que possui mais de 3.000 casos confirmados de COVID-19, era um aplicativo de mapeamento que alerta os usuários quando eles estão a menos de 100 metros de onde estava um caso confirmado de coronavírus. 100m, não é publicado por uma fonte de saúde pública e possui pelo menos 1 milhão de downloads, de acordo com a listagem do Google Play. Ele não está disponível para iPhone e o desenvolvedor não retornou imediatamente um e-mail perguntando se havia planos de lançá-lo para a App Store da Apple.

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Pela Copa do Brasil Sub-20, Flamengo x Goiás será no Elcyrzão

Partida válida pela segunda fase da competição teve seu local definido. A Diretoria de Competições da CBF informou,...

Dois jogos são remarcados pelo Brasileirão Sub-20

Palmeiras x São Paulo e Corinthians x Fluminense foram modificadas para ajustar a grade de programação da TV Band...

Br Feminino A-2: Goiás mandará dois jogos no CT Edmo Pinheiro, em Goiânia

Diretoria de Competições definiu o local em que Goiás receberá o Botafogo e o Real Brasília-DF. A Diretoria...

Br de Aspirantes: Sampaio Corrêa x Paraná será na Arena Castelão

A Diretoria de Competições da CBF divulgou, nesta segunda-feira (19), uma modificação na tabela original do Campeonato...

Pela Série D, dois jogos do Villa Nova-MG foram remarcados

Confrontos foram alterados para preservar o intervalo regulamentar entre partidas. A Diretoria de Competições da CBF publicou, nesta...
- Publicidade -