24 C
Rio de Janeiro
sábado, setembro 19, 2020
- Publicidade -

Falta à esquerda capacidade de dialogar, diz Luciano Huck, em Davos

- Publicidade -
- Publicidade -

LUCIANA COELHO – DAVOS, SUÍÇA (FOLHAPRESS) – O apresentador Luciano Huck, que chegou a cogitar a candidatura à Presidência em 2018, acha que a esquerda brasileira não mostra hoje capacidade e disposição a dialogar.


Já o governo de Jair Bolsonaro, cujas propostas econômicas ele elogia, concentra pessoas com mais de 60 anos, em um momento em que a política precisa de renovação e modernização.


Diálogo e renovação são as ferramentas que Huck, alguém que afirma querer participar mais da política mas evita citar candidatura, sugere para tentar cicatrizar as feridas abertas na última eleição. 

>


Em Davos para participar da reunião anual do Fórum Econômico Mundial -ele interrompeu as férias para debater em um painel sobre reconstrução da confiança da sociedade-, ele falou à reportagem nesta sexta (25), último dia do evento.
*

- Publicidade -


Pergunta – O que falta para reconstruir a confiança da sociedade na política?
Luciano Huck – Temos que fazer uma construção de novas lideranças, o maior investimento que a gente pode fazer nos anos que estão aí é tentar construir um projeto de país que priorize as pautas que eu acho que de fato são transformadoras, sobretudo educação, redução de desigualdade no Brasil. E para implementar essas pautas você precisa de lideranças novas.
Fiquei aqui no Fórum três, quatro dias e você vê quão sexy está o resto dos assuntos, investimento de impacto, tentando lapidar um capitalismo 4.0 que se adeque aos novos tempos. E quando você vai falar de política você ouve os discursos e vê como ainda são antigos, com assuntos antigos. A gente tem que tentar um esforço grande para fazer as discussões políticas, de governo, institucionais de um jeito sexy, mais moderno, e em paralelo formar novas lideranças que possam colocar essas coisas em prática.

P – No atual governo e nos últimos falta despertar para essa modernização?
LH – Não é uma crítica, é uma constatação. Se você olhar o gabinete formado nesse novo governo, sem julgamento de mérito da capacidade ou das ideias, a grande maioria tem mais de 60 anos.
A gente tem que formar novos líderes, pessoas com uma cabeça mais moderna. O que a gente mais precisa no Brasil neste momento é diálogo. E acho que esse fórum é um território muito fértil para o diálogo, com gente de opiniões diferentes discutindo ideias e tentando concluir alguma coisa sobre como a gente pode fazer um mundo mais justo e mais eficiente.

P – Como você pretende participar desse processo?
LH – Já estou. Já entendi, e meu papel na televisão nos últimos 20 anos foi importante, mas eu quero fazer mais coisa. Como é que eu poderia efetivamente, posso participar e tentar ajudar com princípios novos e virtuosos para as próximas décadas. Eu acho que esta eleição, essa renovação que a gente conseguiu no Legislativo principalmente, é um dos primeiros passos que a gente tem que dar de uma jornada longa. Não é um projeto pessoal, pontual, é um chamamento geracional.

P – E como sociedade, o que falta nesse momento, que estamos tão polarizados? Onde a gente se perdeu?
LH – As feridas estão abertas. E quando se está com a ferida aberta qualquer agente externo arde, temos que contribuir para cicatrizar, e isso se dá por meio do debate, do diálogo principalmente. É isso que precisamos fazer, apoiar as agendas positivas, criticar as que você não concorda, dialogar.

P – Falta ao atual governo e à esquerda essa disposição?
LH – À esquerda falta, nesse momento, a capacidade e a boa vontade de dialogar. Graças a Deus o último governo do PT tinha péssima capacidade de execução, porque tinham péssimas ideias, e se tivessem capacidade de execução seria pior ainda, e agora, este novo governo, do ponto de vista econômico tem boas ideias, claras, e agora vamos ver qual a capacidade de execução daqui para frente. E nas pautas nas quais a gente não concorda, que não são poucas, a gente vai ter que ficar vigilante e ter a capacidade de dialogar, criticar e apontar caminhos.

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

>

Últimas Notícias

Flamengo: “Domènec Torrent precisa tomar cuidado ou pode não durar”, diz Rivaldo

Após perder por 5x0 para o Independiente Del Valle, o técnico pode não durar muito no clube carioca, segundo embaixador da Betfair.net

Vasco da Gama negocia com o lateral Antonio Valencia, ex-United

O Vasco da Gama está em busca de um lateral direito e já começou a conversar com Antonio Valencia, ex-Manchester United, que atua como meia e também como lateral direito.

Vasco da Gama x Coritiba: Escalação e onde assistir

A TV Globo transmite o jogo do Vasco ao vivo para Rio de Janeiro, Paraná, mais nove estados e o Distrito Federal, logo depois de 'Temperatura Máxima'
- Publicidade -