23 C
Rio de Janeiro
domingo, outubro 25, 2020
- Publicidade -

Câmera Record percorre as estradas mais perigosas do Brasil usadas para transportar dinheiro e mostra como vigilantes de carro-forte se arriscam no trabalho

- Publicidade -
- Publicidade -

- Publicidade -

Neste domingo, dia 13/09, o Câmera Record exibe uma reportagem exclusiva sobre a perigosa vida de vigilantes de carros-fortes no Brasil, que estão na mira de criminosos fortemente armados. 

- Publicidade -

Os repórteres Marcus Reis, Mariane Salerno e Leonardo Medeiros percorreram as estradas mais perigosas do país, em pontos onde os carros-fortes e vigilantes ficam expostos ao arsenal de guerra dos bandidos. 

Ao todo, a equipe rodou mais de 700km pelas rodovias que ligam Recife ao agreste e sertão. O estado está no topo das estatísticas neste tipo de assalto. Dos 19 casos registrados no Brasil no primeiro semestre deste ano, seis aconteceram em Pernambuco — 80% deles, nas BRs. 

No meio da vegetação cheia de galhos secos e espinhosos, Moisés, uma das vítimas, descreve a violência dos bandidos ao encurralar o carro-forte na estrada. Partes do veículo, como uma porta de 500kg de aço, ainda permanecem no meio da mata. “Eles já chegaram atirando de ponto 50. A bala pegou no motor, e o estilhaço acertou minha perna. Quase me arrancou a perna”. 

Rogério, que era motorista, é outro que escapou por um triz. Ele também foi atingido na perna por uma bala de fuzil ponto 50, arma de uso restrito às Forças Armadas, capaz de derrubar até aeronaves. Em dois anos, ele passou por três cirurgias, engordou 20k e está afastado do trabalho. “O primeiro alvo é sempre o motorista, eles abriram fogo em direção ao motorista”, conta o ex-vigilante. 

Há quatro meses, um vigilante que não pode ser identificado, foi sequestrado junto com a família. Os bandidos o levaram junto com a mulher e duas filhas, uma de sete e outra seis anos, para um cativeiro. “Não deu para ver nada. Eu estava saindo de casa para trabalhar. Todos os bandidos chegaram encapuzados. Botaram a gente numa caminhonete, depois numa casa. Fizeram roleta russa comigo, achei que ia morrer. Os sequestradores queriam informações sigilosas da empresa de valores em que eu trabalhava”, relembra. 

O programa vai apresentar o desfecho dessa história impressionante e trazer o relato emocionante de uma mulher que teve o marido assassinado pelos criminosos. O jornalístico ainda mostra como é o treinamento daqueles que sonham em ser vigilantes. 

O Câmera Record vai ao ar aos domingos, às 23h30. A apresentação é de Luiz Fara Monteiro. 

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

- Publicidade -