21 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, outubro 23, 2020
- Publicidade -

Grupo de trabalho do ensino superior defende mais autonomia para universidades

- Publicidade -
- Publicidade -

18/09/2020 – 16:29  

Jefferson Peixoto/Prefeitura de Salvador

- Publicidade -

Grupo de trabalho quer que recursos diretamente arrecadados pelas universidades sejam utilizados integralmente pelas instituições

- Publicidade -

A defesa da autonomia universitária é o ponto central do relatório que em breve será formalmente entregue ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), por integrantes de um grupo de trabalho criado por ele, em março de 2019, para fazer um diagnóstico da educação superior no País.

O documento, que já foi enviado ao gabinete de Maia e poderá ser acessado por qualquer pessoa após a entrega formal, sugere, por exemplo, a aprovação de propostas em tramitação na Casa que garantem às universidades o direito de escolher os próprios reitores e de utilizar, sem limitações, recursos diretamente arrecadados por elas por meio da oferta de bens e serviços, da exploração econômica do próprio patrimônio ou de doações.

Entre outros pontos, o texto produzido por especialistas em educação rejeita a unificação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pede que Maia não coloque em votação o projeto do governo federal que cria um novo modelo de financiamento para universidades e institutos federais – conhecido como programa Future-se (PL 3076/20).

Coordenador do grupo de trabalho, o professor doutor Roberto de Souza Salles, da Universidade Federal Fluminense, afirma que um dos projetos-chave sobre a autonomia universitária é o PL 4992/19, do deputado Gastão Vieira (Pros-MA). Segundo Salles, o texto atualiza, com base em sugestões do grupo de trabalho, outro projeto de lei apresentado pelo deputado em 2003 (PL 27/03).

Na opinião de Salles, a proposta é fundamental para assegurar a universidades públicas o direito de escolher seus dirigentes. “Há um desrespeito total do Poder Executivo quanto à escolha de reitores. Tivemos o caso do atual reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rui Opperman, que recebeu mais de 80% dos votos da comunidade e do conselho universitário, mas o presidente [Jair Bolsonaro] nomeou o candidato que obteve 3 votos. Isso é uma desmoralização do sistema universitário.”

Recursos próprios


Outra medida defendida pelo grupo de trabalho é a aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC) 24/19, da deputada Luisa Canziani (PTB-PR), que permite que recursos diretamente arrecadados pelas universidades – por meio de serviços, doações ou convênios – sejam utilizados integralmente pelas instituições.

“Há um desestímulo para as universidades terem projetos e arrecadar. Muitas arrecadam R$ 35 milhões, R$ 40 milhões, R$ 50 milhões, mas só podem usar R$ 10 milhões, porque o MEC [Ministério da Educação] diz que ultrapassou o teto de gastos”, critica Salles.

Atualmente, mesmo as receitas obtidas pelas universidades a partir de fontes próprias pertencem, na prática, à União, o que submete a aplicação desses recursos ao limite para gastos públicos criado pela Emenda Constitucional 95. Segundo a emenda, até 2038, as despesas federais primárias, incluindo gastos com saúde e educação, só poderão aumentar de acordo com a inflação acumulada no ano anterior.

O relatório final também defende a aprovação do projeto de lei complementar (PLP 135/20) que impede o contingenciamento do Fundo Nacional de Recursos do Desenvolvimento Científico e Tecnológico. “Para este ano, estão previstos no fundo R$ 5,2 bilhões, porém só foram disponibilizadas R$ 600 milhões. O Brasil tem de priorizar a educação, a ciência e a tecnologia para não continuar sendo apenas um país agrícola, voltado à exportação de produtos primários”, comenta o docente.

Ensino privado


Por fim, o grupo de trabalho considera importante regulamentar o funcionamento das instituições privadas de ensino superior. “Queremos uma regulamentação clara, porque senão as sociedades anônimas vão tomar conta do ensino privado no País. E isso vai ser a morte de muitas instituições de pequeno e médio porte que funcionam muito bem e tem qualidade no ensino”, declara Salles.

O grupo de trabalho é composto ainda pelos professores Ana Lúcia Gazzola, Eliane Superti e Thompson Fernandes Mariz, e por consultores legislativos da Câmara dos Deputados.

Reportagem – Murilo Souza

​Edição – Marcelo Oliveira

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Copa do Brasil Sub-20: Goiás bate o Flamengo e fica em vantagem por vaga

Além do triunfo por 1 a 0 do Esmeraldino em Saquarema (RJ), Moto Club e Vasco empatam em 2...

Butantan acusa Anvisa de atrasar vacina; Pazuello diz que vai obedecer Bolsonaro

A crise criada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em torno da...

Flamengo encontra estabilidade em momento chave da temporada

Após chegada conturbada do técnico Domenec Torrent, rubro negro retorna ao bom futebol e à disputa da ponta do Brasileirão
- Publicidade -