35.1 C
Rio de Janeiro
domingo, setembro 27, 2020
- Publicidade -

“Estamos entregando pessoas de bandeja para o vírus infectar”, afirma reitor da UFPel

- Publicidade -
- Publicidade -

O reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e coordenador da pesquisa Epicovid, que mapeia a velocidade de contágio e propõe estratégias para o enfrentamento da doença, destaca que a curva de contaminações já deveria ter entrado em declínio, pois já se passaram 17 semanas desde o registro do primeiro caso.

Mas não é o que a realidade revela. O número de infectados e de mortes se multiplica a cada dia e projeta o colapso do sistema de saúde ainda em junho.

::Taxa de letalidade por coronavírus entre quilombolas é o dobro da média nacional::

Até às 8h desta terça-feira (16),  de acordo com o consórcio de veículos de imprensa (G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL) que passou a fazer a atualização diária das informações enviadas pelas secretarias estaduais de saúde diante da omissão de informações pelo Ministério da Saúde, o total de mortes atingiu 44.148 e quase 900 mil infectados.

- Publicidade -

“A solução neste momento é fechar as portas do país por 15 dias para forçar a curva a entrar em uma trajetória descendente”, aponta Pedro Hallal.

O reitor disse que levará essa proposta de estratégia extrema de controle ao Ministério da Saúde, em uma reunião na próxima quinta-feira, 18.

Fase aguda de contágio

Em entrevista ao jornal Diário Popular, de Pelotas, nesta terça, Hallal afirmou que o governo vem optando por uma política kamikaze no enfrentamento da pandemia e, caso não adote medidas efetivas contra a Covid-19, “empurra o pico para cima”, prolongando a fase aguda do contágio por um prazo indefinido. “O Brasil resolveu desafiar o vírus”, alerta Hallal.

Em países como Espanha, Itália e Estados Unidos, após entrar em declínio, o vírus entrou em um período de saturação e a curva de transmissão não voltou a subir. A tendência mundial, segundo o reitor, é de recuo do contágio a partir da 13ª semana de circulação desde que sejam adotadas medidas de confinamento da população.

“Não foi o que ocorreu no Brasil e está longe de acontecer. E por quê? Por aqui, no momento em que o cerco deveria ter ficado ainda mais apertado – em função de o contágio estar em alta –, os governos passaram a flexibilizar e cada vez menos pessoas mantêm o isolamento social”, explica. O Brasil “alimenta uma equação desastrosa”, segundo ele, em que há mais pessoas contaminadas enquanto cresce o número de suscetíveis ao contágio nas ruas.

Esse cenário, adverte, é favorável a surtos de infecção fora de controle. “O Brasil tem um monte de infectados e um monte de suscetíveis e os está colocando para se encontrar no meio da rua”, compara. “A gente tá dando pessoas de bandeja pro vírus infectar. É isso”. Daí a sua aposta em 15 dias de isolamento total (lockdown).

Proporção de infectados aumentou em 53% em duas semanas




A pesquisa Epicovid19-BR fará 33.250 testes rápidos e entrevistas em 133 cidades de todos os estados / Daniela Xu/ UFPel

A pesquisa Epicovid19-BR, que estima a proporção de casos de infecção por coronavírus no Brasil, inicia nova etapa a partir de domingo, 21, com a meta de realizar 33.250 testes rápidos e entrevistas em 133 cidades de todos os estados do país.

Cerca de 2,6 mil pesquisadores do Ibope Inteligência vão às ruas, nos dias 21, 22 e 23 de junho, para visitar residências e convidar 250 moradores a realizar testes rápidos para o coronavírus em cada uma das cidades incluídas na pesquisa.

::Coronavírus ultrapassa a dengue em número de casos no Brasil::

“É fundamental que a população aceite participar da pesquisa”, diz a epidemiologista Mariângela Freitas da Silveira, integrante da coordenação do estudo. Em cada cidade, por exemplo, é preciso realizar pelo menos duzentos testes, para que possamos apresentar estimativas sobre a real dimensão da Covid-19. “Além de contribuir com o esforço coletivo de enfrentamento da pandemia, o participante tem a oportunidade de realizar o exame e saber o resultado na hora”, observa.

Velocidade e expansão




Para cada diagnóstico confirmado, existem cerca de seis casos reais não notificados na população, o que representa mais de 1,7 milhão que têm ou já tiveram o coronavírus / Tomaz Silva/Agência Brasil

O Estudo de Prevalência da Infecção por Covid-19 no Brasil (Epicovid19-BR), coordenado pela UFPel com financiamento do Ministério da Saúde, é o maior levantamento populacional do mundo a estimar a prevalência de covid-19. A segunda etapa da pesquisa apresentou evidências inéditas sobre a velocidade de expansão do coronavírus em 83 cidades do país.

A proporção de pessoas que já contraíram o vírus no Brasil aumentou em 53% no período de duas semanas entre a primeira etapa, realizada de 19 a 21 de maio, e a segunda, de 4 a 5 de junho. Os dados mais recentes também mostram que, para cada diagnóstico confirmado, existem ao redor de seis casos reais não notificados na população.

::Levantamento mostra subnotificação de óbitos de pessoas indígenas por covid-19::

Para se ter uma ideia, as estimativas somam mais de 1,7 milhão de pessoas que têm ou já tiveram o coronavírus, contra o total de 296.305 casos notificados em 120 cidades brasileiras na véspera do segundo levantamento da pesquisa.

O estudo inclui a cidade mais populosa de cada uma das 133 sub-regiões definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o território brasileiro. A seleção das residências e das pessoas que serão entrevistadas e testadas ocorre por meio de um sorteio aleatório, utilizando os setores censitários do IBGE como base.

Para o exame, os pesquisadores coletam uma gota de sangue da ponta do dedo do participante, que será analisada pelo aparelho de teste em aproximadamente 15 minutos.

Enquanto aguarda o resultado, o participante responde a perguntas sobre sintomas da covid-19 nas últimas semanas, busca por assistência médica e rotina em relação às medidas de prevenção e isolamento social. Em caso de resultado positivo, os profissionais comunicam a Vigilância Epidemiológica local

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Extra Classe


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

- Publicidade -