22.5 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, setembro 21, 2020
- Publicidade -

Política de distanciamento controlado não gera efeitos no RS, analisam especialistas

- Publicidade -
- Publicidade -

O distanciamento controlado por cores de bandeiras que o governador do Rio de Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB) exaltou como o casamento entre a ciência, a política e a eficiência no combate ao coronavírus atingiu o pico do fracasso desde que foi implantado há pouco mais de um mês. Na sexta-feira (12), o decreto estadual de 11 de maio, deu seu último suspiro. Foi quando a Prefeitura de Porto Alegre anunciou novo decreto para esta segunda-feira (15), restringindo comércio para tentar retomar a eficiência perdida com o fim do isolamento social.

Alguns fatores levam à conclusão de que a guerra para o coronavírus estava perdida no RS e a abertura para a circulação e os negócios só apressaram a derrocada. Apesar de o governo estadual levantar bandeiras coloridas e receber elogios, especialistas que acompanham a dispersão do vírus contam uma história de que se tratava da crônica de um fracasso anunciado.

:: Saiba mais: Podcast Bem Viver traz balanço da covid-19 em parceria com a Rede de Médicas e Médicos Populares::

>
>
>

Academia é contra

- Publicidade -

O professor do campus litoral norte da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Ricardo Dagnino sabe bem sobre o que fala quando faz críticas severas ao distanciamento controlado. Ele é geógrafo, demógrafo e o responsável por alimentar o Sistema de Informação Geográfica (SIG), da UFRGS, sobre os casos de coronavírus por município no RS.

Desde que o vírus chegou em 29 de fevereiro, acompanha a evolução dos números fechados pelas instâncias governamentais de casos da covid-19 no Rio Grande do Sul. Percebeu muitas falhas na organização, registro e compilação dos dados.

“Não tem como controlar o vírus. Sem teste massivo e sem vacina, não tem como. Sem testar, não tem como desenhar uma política pública. Este distanciamento nunca existiu porque as pessoas não param de circular”, explica Dagnino.




Desde 15 de abril, o governo do estado distribui remessas de testes aos 497 municípios gaúchos / Divulgação

Poucos testes nos primeiros 100 dias de infecção

Desde 15 de abril, o governo do estado distribui remessas de testes aos 497 municípios gaúchos, segundo dados da transparência da página da Secretaria Estadual de Saúde do RS. Os testes rápidos recebidos do governo federal e distribuídos aos municípios somaram 348.460 em 29 de maio.

Desde 29 de fevereiro, até a segunda-feira (8), ou seja, nos primeiros 100 dias de infecção, foram realizados 50.245 testes. Do total recebido do Ministério da Saúde, os municípios e o governo estadual conseguiram fazer 14,4% dos testes.

Juntando todos os tipos de testes no RS, com resultado até o dia 8 de junho, 69.653 foram feitos. É um teste com resultado para cada 163 habitantes, considerando a população de 11,37 milhões de gaúchos segundo projeção do IBGE para 2019. Até essa data, 6.732 casos de infecção por coronavírus foram detectados no estado. Isso significa que 13,4% dos testes rápidos (50.245) feitos no Rio Grande do Sul dão positivo. Extrapolando com uma regra de três simples, se todos os mais de 300 mil testes fossem realizados, o estado poderia ter detectado entre 40 e 50 mil casos de gaúchos infectados.

::Ansiedade,abuso de álcool, suicídios: pandemia agrava crise global de saúde mental::

A periferização ameaça os mais vulneráveis

Não foi por falta de avisos. Desde os casos da Itália, da Espanha e até da China e dos Estados Unidos, sabe-se que o coronavírus se espalha dos centros das cidades e bairros de maior renda para as periferias. É fácil imaginar que o vírus começou do outro lado do mundo, passou pela Europa e foi trazido para o Brasil por quem tem maior renda e pode viajar de avião para outros países.

É o que os cientistas chamam de “periferização”. O professor do Campus Litoral Norte da UFRGS Guilherme Garcia de Oliveira é doutor em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental. Assim como o professor Ricardo Dagnino trabalha com dados de dispersão do coronavírus.

Ele cuida, entretanto, da compilação e análise dos dados mundiais. Para ele, estudos estão claramente a introduzir mais um fator de dispersão do coronavírus e da covid-19. A falta de saneamento básico indica uma causalidade forte.

No Rio Grande do Sul, bairros onde as pessoas que não dispõem de água corrente em casa para lavar as mãos é menor do que em Manaus e em outros estados do Nordeste. Daí, quem sabe, mais uma variável capaz de explicar o menor volume de casos de coronavírus e covid-19 entre os gaúchos.

“O Rio Grande do Sul está um ou dois meses atrasado. De modo geral, ainda não chegamos no pico. Não é apenas a questão do intercâmbio de pessoas. As condições de saneamento básico são uma evidência”, acrescenta o professor Guilherme.

Segundo ele, fatores sociais como a dificuldade de as pessoas fazerem isolamento no Brasil, ficar em ambientes fechados e, quem sabe, o frio a partir de junho, podem significar algum surto da covid-19 nas próximas semanas ou meses em estados mais ao Sul, como é o caso do RS, Santa Catarina e o Paraná.

“Percebemos que em São Paulo o número de casos e de mortes tem subido menos nas últimas semanas. Pode ser que estejamos caminhando para o pico. Mas não se pode dizer que é uma tendência com base em dados de um dia para o outro. É preciso analisar dados semanais no mínimo porque os dados diários são muito voláteis. No Brasil, não começamos uma quarentena de verdade. Tivemos quarentena parcial que está falhando. É uma tendência o vírus se espalhar pelo estado (RS)”, salienta.

Os números podem ser uma armadilha

Ricardo Dagnino, professor da UFRGS, chama a atenção, no entanto, para as respostas precárias que os números podem oferecer. Ele é demógrafo e fala da importância da mobilidade como fator de dispersão do coronavírus e da covid-19.

Morador de Osório (RS), Dagnino conta que uma fábrica de calçados de sua cidade não parou de produzir. E o mais preocupante. Muitos dos trabalhadores que diariamente montam calçados nas esteiras desta grande empresa vêm de lugares distantes.

“Esse distanciamento não existe. É para quem tem condições de se distanciar”, reforça Dagnino

O professor alerta para outra questão. Como os números da Covid-19 são totalizados? Dagnino conta que os números são fechados nos municípios pelas secretarias de saúde locais, repassados para os estados, que, por sua vez, repassa-os à instância federal, o Ministério da Saúde.

::Em 24 horas, Brasil apresenta redução no número de novos casos e mortes por covid-19::

O caminho é longo e tem ainda fatores que tornam os dados ainda mais imprecisos. Por exemplo, nos fins de semana, os municípios não costumam manter servidores públicos de plantão para compilar as informações. O efeito, segundo Dagnino, é não se poder confiar nos dados publicados “nas segundas e terças-feiras”.

Ele alerta que toda política pública de combate à pandemia depende da sensibilidade dos governantes. “Enquanto os três filhos mais importantes do país não forem contaminados e ficarem doentes, o presidente não vai parar de ficar mandando a vida voltar ao normal”, salientou.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Katia Marko e Raquel Júnia


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Série C: Paysandu entra no G-4 do Grupo A, e Ypiranga assume vice-liderança da outra chave

Confira os resultados dos cinco jogos realizados neste domingo (20), válidos pela sétima rodada da competição ...

Mais dez equipes estreiam com vitória na Série D 2020

16 jogos deram sequência à primeira rodada da Série D do Campeonato Brasileiro, neste domingo. Veja como foi ...

Escola.Rio: Programa na Band Rio terá conteúdo curricular para o 9º ano na semana de 21 a 26 de setembro

Alunos ganharão reforço de Matemática, Língua Portuguesa, Ciências, História e Geografia na faixa 7.1 da TV aberta

Feminino A-1: Seis partidas sofrem alteração de horário

As mudanças foram feitas, em sua maioria, para encaixe na grade de programação das emissoras que transmitem o torneio. ...

Brasileiro A-1: Corinthians x Vitória tem data e horário alterados

As alterações na partida vieram a pedidos do Alvinegro, mandante do jogo. A Diretoria de Competições da CBF...

Brasileiro Sub-20: Chapecoense e Botafogo definem sede como mandantes

O Glorioso e o Verdão do Oeste já sabem onde vão mandar seus primeiros jogos da competição. Na...

Série C: Paysandu entra no G-4 do Grupo A, e Ypiranga assume vice-liderança da outra chave

Confira os resultados dos cinco jogos realizados neste domingo...

Mais dez equipes estreiam com vitória na Série D 2020

16 jogos deram sequência à primeira rodada da Série...

Horóscopo de segunda-feira 21 de setembro de 2020

Confira a previsão do horóscopo para o dia 21 de setembro de 2020 e fique por dentro de tudo o que o seu signo lhe reserva para o amor, dinheiro e saúde.
- Publicidade -