24.9 C
Rio de Janeiro
terça-feira, setembro 29, 2020
- Publicidade -

Quais técnicas usadas para a vacina contra a covid-19 e quanto tempo devemos esperar?

- Publicidade -
- Publicidade -

A rápida disseminação do novo coronavírus pelo planeta obriga governos a implementarem uma série de intervenções para minimizar a taxa de contágio de forma a resguardar a capacidade dos sistemas de saúde de atender a população. Caso a busca por atendimento ultrapasse a capacidade hospitalar instalada, esses sistemas podem enfrentar um colapso.

Desenvolvimento de testes de diagnóstico mais rápidos e eficientes, medidas de quarentena para casos confirmados e suspeitos, melhoramentos na gestão clínica e de protocolos de atendimento, isolamento social e outras ações são algumas das medidas implementadas. A urgência e intensidade dessas medidas devem-se à alta transmissibilidade, pois o contágio ocorre pelas vias respiratórias, por gotículas no ar e secreções aéreas, além de poder ser transmitido por pessoas assintomáticas, o que dificulta ainda mais a detecção dos infectados. Ainda não há medicação ou vacinas contra a doença.

No momento, o Brasil é o segundo país no ranking de infectados pela covid-19, disputando com os Estados Unidos a liderança no número de mortes diárias causadas pelo vírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS) já declarou que a América Latina é o novo epicentro global, sendo o Brasil o país que apresenta a maior taxa de contágio.

::Brasil registra mais de 800 mil casos da covid-19 e quase 41 mil pessoas já morreram::

- Publicidade -

Debates em torno da necessidade da chamada “imunidade de rebanho” ao novo coronavírus tomam lugar na comunidade científica e nas decisões políticas. O termo significa que parte considerável da população já possui anticorpos contra um determinado patógeno, fazendo com que este pare de circular e não seja mais uma ameaça à saúde pública. Em relação a outros surtos de doenças infecciosas, essa imunidade de rebanho foi alcançada através de vacinas, como, por exemplo, a vacina contra a varíola.

Diferentes tipos de vacinas

Enquanto não atingimos a porcentagem necessária de pessoas com anticorpos contra o Covid-19, há uma corrida por novos medicamentos e o desenvolvimento de uma possível vacina.

Mas a produção de uma vacina não é tarefa simples. É um processo que requer grandes investimentos, muita pesquisa e tempo. Para se ter uma ideia, a vacina contra o sarampo levou 10 anos para ficar pronta, enquanto a vacina contra o Ebola necessitou de mais de 20 anos de pesquisas. O desenvolvimento mais rápido de uma vacina já registrado na história foi o da vacina contra a caxumba, que levou 4 anos. Ainda não dispomos de vacinas para várias doenças infecciosas conhecidas e que causam muitas mortes anualmente, como, por exemplo, AIDS, malária, sífilis ou dengue.

::Governo aprova teste de vacina contra o novo coronavírus com 2 mil voluntários::

Cada vacina é produzida para um organismo patogênico específico e funciona estimulando a produção de anticorpos que protegerão nosso corpo contra a invasão desses organismos. Elas são um preparado biológico produzido com os próprios patógenos que se deseja combater e que serão injetados em forma de pequenas doses para que o corpo humano reconheça a forma do vírus, bactéria ou protozoário invasor e produza os anticorpos específicos, como um esquema “chave e fechadura”.

Encontrar esse equilíbrio entre a quantidade da dose do patógeno necessária para o estímulo da produção de anticorpos no corpo humano sem causar a doença é um desafio.




Mesmo no cenário mais otimista, em que pesquisadores do mundo inteiro se empenham na busca de uma vacina contra a covid-19 em tempo recorde, tudo indica que ela chegará aos nossos braços só em 2022. / Foto: Divulgação / Governo de São Paulo

Uma combinação de técnicas

O desenvolvimento e produção em larga escala de vacinas é um processo que necessita cumprir uma série de etapas. Primeiro, é necessário mapear os agentes infecciosos para que se possa encontrar a parte específica de seu envelope proteico que se liga ao receptor humano. Para isso, pode ser necessária a avaliação de dezenas ou centenas de antígenos, que são as moléculas ou partículas capazes de desencadear a resposta imunológica.

De acordo com a pesquisadora do Laboratório de desenvolvimento de vacinas do Centro de Biotecnologia do Instituto Butantan de São Paulo, Luciana Cezar de Cerqueira Leite, para a escolha dos antígenos a serem testados, deve-se verificar os diferentes mecanismos de resposta imunológica desencadeados. Uma das propostas da pesquisadora é o uso da biologia de sistemas para indicar qual tipo de resposta imune a vacina vai induzir. Daí a importância da investigação de novos mecanismos de exposição dos antígenos no corpo humano para o alcance de respostas mais eficazes.

::Pacientes recuperados de covid-19 relatam sequelas como cansaço e ansiedade::

No caso da covid-19, esse é um dos problemas. Ainda não se sabe quais os correlatos de proteção imunológica seguros para o combate ao vírus. E só devemos esperar pela resposta depois dos resultados das primeiras vacinas a serem testadas em humanos. Caso as primeiras tentativas falhem, essas informações serão essenciais na continuação das pesquisas.

A pesquisadora menciona algumas técnicas promissoras, como as que utilizam o vírus inativado. No momento, existem sete vacinas desse tipo em desenvolvimento e três em ensaios clínicos nas fases I e II. Como não há necessidade de recombinação genética, são mais fáceis de testar. A maioria está sendo desenvolvida na China, onde pesquisadores já trabalham com base nos estudos desenvolvidos no surto do primeiro corona vírus, o SARS-CoV-1, em 2003.

Outra técnica é o uso de vírus atenuados ou enfraquecidos. Geralmente são utilizados vírus não patogênicos ao corpo humano mas que são muito estimuladores da resposta imune. Duas vacinas baseadas nessa técnica estão em fase pré-clínica de testes.

Cerca de 17 vacinas baseadas em RNA estão em desenvolvimento. É uma técnica nova que não dispõem de tantos estudos como as baseadas em DNA. A vacina desenvolvida pela empresa norte-americana Moderna se encontra em etapa mais avançada, já que também foram utilizados estudos a respeito das interações da proteína S do SARS-CoV-1, o que acelerou os testes. Ainda não existe nenhuma vacina aprovada através desse método.

Quanto tempo para a vacina?

Para a pesquisadora, existem dois gargalos a serem vencidos. O primeiro tem relação com os testes das fases clínicas das vacinas em andamento. O desafio é que uma vacina seja eficaz e segura para aplicação em seres humanos. Caso as vacinas sejam capazes de proporcionar uma resposta imunológica satisfatória, pode-se começar a pensar em escalonar a produção, que é o segundo gargalo.

“Vai ser difícil saber qual o tamanho da fila, quem estará na fila. O primeiro gargalo será ano que vem e talvez mais um ano para conseguir produzir para todo mundo. A (empresa) Moderna disse que consegue produzir 1 bilhão de doses em um ano inteiro. Se for necessário duas doses só para os EUA, serão 300 milhões, e se forem três ou mais doses? É praticamente toda a produção da Moderna. Isso deverá ser multiplicado para o atendimento de todos. Quanto tempo vai levar, não sabemos, isso nunca foi feito nessa escala” diz.

::Como lidar com as incertezas da saída da quarentena em meio à pandemia?::

A perspectiva é de que as instituições brasileiras, como o Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que já atuam na produção e distribuição de vacinas, estejam preparadas para adquirir a tecnologia desenvolvida mais interessante e começar a produção o mais rápido possível, já que um só fabricante não terá capacidade de produzir para todo o mundo. Mesmo no cenário mais otimista, em que pesquisadores do mundo inteiro se empenham na busca de uma vacina contra a covid-19 em tempo recorde, tudo indica que ela chegará aos nossos braços somente em 2022.

Fonte: BdF Ceará

Edição: Raquel Júnia e Monyse Ravena


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Reforços do Vasco da Gama: Valencia, Gustavo Scarpa, Felipe Vizeu Léo Sena e Nicolás Hernandez podem chegar ao clube

O Vasco da Gama começa a fazer movimentos mais ousados no mercado da bola e reforços devem chegar em...

Auxílio emergencial: confira calendários de pagamento das parcelas de R $ 600 e R $ 300

O auxílio emergencial foi dividido em cinco parcelas de R $ 600...

Militares auxiliam no combate aos incêndios em MT e MS

Militares das Forças Armadas estão no Pantanal para ajudar a conter os focos de incêndio que atingem o bioma...

Municípios de seis estados recebem recursos para obras de saneamento básico

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) liberou mais R$ 2,94 milhões para continuidade de obras de saneamento básico em...

Governo lança cartilha de incentivo à adesão e fomento de políticas públicas familiares

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) lançou nesta segunda-feira (28) uma cartilha para incentivar...
- Publicidade -