Um Maracanã carregado de emoção como poucas vezes se viu na história. O Flamengo já chorou suas perdas antes. Geraldo, Figueiredo, Coutinho… nomes que escreveram capítulos importantes na nossa história e que ganharam, na última sexta-feira, a triste companhia de dez anjos de nossa categoria de base.

Quase uma semana depois da tragédia, os mais de 50 mil torcedores que no estádio estiveram viram um time que sentiu o baque, vestiu o short preto de luto e brigou em campo contra um dos seus maiores rivais por algo maior que a classificação para a final da Taça Guanabara. Porém, o futebol foi cruel e o Flamengo acabou derrotado pelo Fluminense, ficando fora da disputa do título da Taça Guanabara. 

Nenhum dos dois times criaram muito no primeiro tempo. Os 45 minutos que se seguiram não foram o que se espera do script de um clássico deste tamanho. Os goleiros pouco trabalharam e puderam observar a festa que a torcida fez aos 10 minutos, cantando a música dos #Nossos10. A melhor – e única – chance rubro-negra foi uma cabeçada de Rhodolfo que o xará goleiro tricolor fez grande defesa.  

O segundo tempo, este sim, um Fla-Flu. Os times se soltaram, brigaram pela bola, buscaram as chances. Diego Alves parou o Tricolor. Rodolfo defendeu ótimo ataque de Gabriel Barbosa. Era um jogo de mais chances, de momentos de emoção com a bola rolando, de guerra das torcidas cantando.

Abel Braga chamou De Arrascaeta, Uribe e Vitinho para o campo, nos lugares de Everton Ribeiro, Bruno Henrique e Diego. O jogo era corrido, mas as chances, poucas. Quando o empate estava pronto para ser o resultado, Luciano ficou na frente de Diego Alves e marcou o gol da vitória tricolor. Uma semana terrível se encerrou para o Flamengo que agora volta suas atenções para a Taça Rio, no próximo domingo, contra o Americano, no Maracanã, às 17h.