Brasilia DF 30 102018 O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, fala à imprensa sobre a pauta de votações da Casa.foto Fabio Rodrigues Pozzebom/Ag. Brasil

O presidente da Câmara e candidato à reeleição, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira (14) que o cargo não é “de governo nem de oposição” e que por isso busca acordos com partidos de lados opostos no espectro político. 


“A presidência da Câmara não é de governo nem de oposição. Quanto mais representativo o comando da Casa, mais independente e altivo o Legislativo”, escreveu ele nas redes sociais. 


Maia, que tenta chegar ao terceiro mandato consecutivo -o primeiro foi tampão, depois da renúncia de Eduardo Cunha (MDB-RJ)-, firmou acordos com o PSL de Jair Bolsonaro e com o PDT de Ciro Gomes no início deste ano. 


“É por isso que tenho conversado e firmado compromissos tanto com partidos e parlamentares ligados ao governo quanto com aqueles que representam legitimamente a oposição”, afirmou. 


Maia enfrentou resistências da oposição ao fechar acordo com o PSL. O PSB, por exemplo, já afirmou que o apoio do partido de Bolsonaro à reeleição inviabiliza uma aliança. 


Do mesmo modo, o PT se vê em dificuldades em apoiar Maia e busca solução para aliar um movimento pragmático para conseguir espaço na Mesa Diretora com a manutenção do discurso ideológico à esquerda. 
Na base de Maia estão a maioria dos partidos do chamado “centrão”, como PR, PRB, Podemos, PSD e Solidariedade. 


Não é possível dizer, porém, que todos os votos dos parlamentares destes partidos irão para o atual presidente. Isso porque a votação é secreta, o que retira dos caciques o poder de controlar o voto dos deputados.