Dudu - Foto: Divulgação
Dudu - Foto: Divulgação

Alexandre Mattos deixou claro que tem interesse em contar com Ricardo Goulart, mas fez uma lista de condições para efetivar a contratação do meia-atacante.

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (4), o diretor de futebol do Palmeiras afirmou que a questão financeira é a principal pendência a ser equacionada.


Com contrato até janeiro de 2020 no Guangzhou Evergrand, o atleta usa as instalações da Academia de Futebol para voltar à melhor forma física. Fora de campo, tem ótimo relacionamento com Alexandre Mattos e Felipão. Ele segue no Brasil à espera de uma definição.


“O Palmeiras tem um grupo bem sacramentado, bem definido pela comissão técnica. O Ricardo é excepcional jogador, é um grande amigo meu. Adoro ele a família. Mas ele ainda está se recuperando da lesão, está se tratando aqui conosco e não tem conversa com o time dele ainda. Se, em algum momento, após a recuperação, tiver a viabilidade financeira, compatível com o que o Palmeiras entende, vamos estudar o caso”, explicou.


“Não estamos ansiosos. Nem eu e nem a comissão. A imprensa está mais. Neste momento, não tem nenhum avanço, porque ele está em recuperação. E também não temos um direcionamento do time da China para entender o que o seria esse negócio com o Goulart. Os representantes também querem entender os movimentos da China antes. Temos que ver essas condições e ver se é viável. Já há alguns anos a gente procura entender o caso dele. Mas analiso que tudo o que a comissão pediu a gente já deu, especialmente a velocidade nas extremas”, completou.


Além de Goulart, o que tem tirado o sono do torcedor palmeirense é a condição de Dudu. Com contrato até 2022, ele tem sido bastante assediado pelos chineses. Nenhuma proposta oficial, no entanto, chegou nas mãos do Alviverde, que promete fazer o máximo para segurar o camisa 7.


“O Dudu tem contrato com o Palmeiras até 2022. Já entraram em contato por ele no meio de 2016, que foi o momento mais crítico e poucos ficaram sabendo e quase não falaram. Lá foi bem difícil segurar. Depois, recebemos contatos em janeiro de 2017, da China, no meio de 2017, da China de novo, em janeiro de 2018, novamente da China, e agora no meio com a situação mais forte, quando fizemos o projeto de carreira com ele”, afirmou o dirigente.


“Os chineses ouvem o não da gente e depois falam com o jogador, oferecem 10, 15 vezes o que ganha e deixa todo mundo louco. Mas o Palmeiras tem projeto. O Dudu tem contrato, está feliz e treinando. Se tiver alguma proposta, nós vamos fazer de tudo para segurar. O interesse é segurar. Mas todos os departamentos do clube são equilibrados, não fazemos loucuras e entendemos todos os lados”, finalizou.


Antes de dar a coletiva de imprensa, Alexandre ainda apresentou os cinco reforços do Palmeiras. Arthur Cabral, que veio do Ceará, Zé Rafael, do Bahia, Matheus Fernandes, do Botafogo, Carlos Eduardo, do Pyramids (EGI), e Felipe Pires, Hoffenheim (ALE), foram apresentados.