Foto: Newton Menezes/Futura Press/Folhapress
Foto: Newton Menezes/Futura Press/Folhapress

A delegada Elisabete Sato, atual diretora do DHPP (departamento de homicídios), será a número 2 da Polícia Civil de São Paulo na gestão João Doria (PSDB).

Ela foi escolhida pelo futuro delegado-geral, Ruy Ferraz Fontes, para o cargo de delegada-geral adjunta, uma das mudanças previstas para ocorrer janeiro.

Sato está na polícia desde 1976 e, atualmente, é considerada uma das mais importantes delegadas do país. Ocupante de cargos de relevo desde o início dos anos 2000, ela também é conhecida pela personalidade forte, em um estilo “sincerona”, que define como “bocuda”.

Foi a delegada, por exemplo, que no ano passado admitiu problemas da polícia paulista para entrar em algumas favelas na capital, entre elas a Paraisópolis, o que acabou gerando desconforto com integrantes do governo paulista por também ter incluido a PM nesse problema.


Também foi Sato que chegou a desmentir o então secretário Alexandre de Moraes, hoje ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), sobre um mal-estar entre a Polícia Civil e a Polícia Militar durante as investigações da chacina de Osasco (Grande SP) em agosto de 2015.
O hoje ministro do STF negava a existência de problemas entre as duas instituições, em razão de atropelos da Corregedoria na investigação dessas mortes, mas, ao ser questionada em entrevista ao lado de Moraes e do corregedor-geral Levi Félix, Sato confirmou o mal-estar.
Sato será a única mulher entre os 24 cargos mais importantes da Polícia Civil, lista que deve ser anunciada nos próximos dias pela gestão João Doria.


Para o lugar da delegada no DHPP foi indicado o delegado Domingos Paulo Neto, atual diretor do Decap (responsável pela capital), que o Sindicato e a Associação dos delegados queriam que assumisse como delegado-geral, após eleição realizada neste ano entre os associados.
Paulo Neto foi o mais votado de uma listra tríplice, resultado entregue pelos representantes de classe ao governador eleito, mas que foi ignorada pelo tucano. Apesar da iniciativa dos policiais, não há previsão legal para escolha de delegados-gerais por eleição, como ocorre no Ministério Público.


A lista de diretores da Polícia Civil na gestão Ruy Ferraz Fontes tem ainda: Albano David Fernandes (capital), Luis Augusto Castilho Storni (Grande SP), Osvaldo Nico Gonçalves (Decade), Julio Gustavo Vieira Guebert (academia da polícia) José Aparecido Sanches Severo (Denarc), Caetano Paulo Filho (Dipol) e Emygdio Machado Neto (DPPC).