25 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, 26 de abril de 2019 4:5628
- Publicidade -

Burkina Fasso redescobre o Koko Dunda, espécie de ‘chita’ local

- Publicidade -

Antes, vestir “pagne” era sinal de pobreza. Tanto é assim que, em Burkina Fasso, esse tecido -o mais barato do mercado, algo como tradicionalmente seria uma espécie de chita no Brasil- tinha apelidos muito pouco dignificantes, como “fácil de comprar” ou “meu marido está desempregado”. Mas bastou um estilista conseguir emplacá-lo nas passarelas locais para virar febre nacional e até mudar de nome: agora é Koko Dunda e veste de empresários a modelos, de artistas a políticos do país no oeste africano. Um deles é o presidente burquinense, Roch Marc Christian Kaboré.

“Para mim, o pagne sempre fez parte da cultura africana e acho que essa é a nossa identidade. Eu sempre busco colocar um toque africano distinto a cada coleção que faço. E o Koko Dunda é um legado de nossos ancestrais e uma riqueza que temos”, afirma, à reportagem, o designer Sébastien Bazemo, mais conhecido como Bazem’Sé, que impulsionou a reinvenção do material e o transformou na Cinderela da moda local.
Koko Dunda alude ao lugar onde o tecido é produzido, “às portas de Koko”, na língua bambara. Koko é um bairro popular em Bobo Dioulasso, a segunda maior cidade do país, depois da capital, Uagadugu.

- Advertisement -

O pagne, um tipo de algodão barato tingido há gerações em Burkina Fasso, é uma expressão da cultura local que vinha sendo sistematicamente substituída pela importação de roupas de segunda mão vindas da Europa e dos Estados Unidos. Por isso, Bazemo vê que ressignificar o tecido é um benefício que vai além da busca por novidades às vezes efêmeras e típicas do universo da moda. “Meu desejo é ver um dia todos -europeus, americanos, chineses- vestindo o Koko Dunda. É essa a luta que eu tenho e na qual acho que posso contribuir.”

O estilista conta que artesãs que produzem e tingem o tecido agora não dão vazão à demanda, e que é “um orgulho” ver mulheres que hoje podem sustentar suas famílias graças à revalorização de um saber antes desprestigiado.

Koko Dunda Pagne
Koko Dunda Pagne

Após um trabalho iniciado há três anos, em que começou a inserir o tecido em propostas para públicos influentes, Bazemo conseguiu dar-lhe exposição suficiente para imprimir novos sentidos ao imaginário popular do pagne: “Pessoas públicas, políticos, jornalistas, artistas internacionais estão usando a coleção e eu vendo muito bem as minhas peças aqui em Uagadugu. Gostaria de vender mais para o mercado internacional, especialmente online. Mas há um grande problema de conexão com a internet na África, e muitas vezes isso se torna bastante complicado”.

Últimas Notícias

Trens poderão ter que disponibilizar bagageiros

A determinação é do projeto de lei 117/19, de autoria da deputada Lucinha (PSDB), que foi aprovado pela Alerj

Presidente e diretores do Rioprevidência falam sobre operações de securitização e mais autonomia do órgão

Eles detalharam as operações de securitização de royalties do petróleo feitas entre 2013 e 2018 pelo Governo do Estado

CETC aplica 115 multas e remove 19 vans em um dia

Quatro utilitários foram removidos após denúncias no 1746

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 105 milhões neste sábado

115 pessoas acertaram a quina e irão ganhar, cada uma, mais de R$ 55 mil

Escolas da Prefeitura do Rio recebem medalhistas olímpicos, para palestras e oficinas

Arnaldo Oliveira, André Domingos e Thaissa Barbosa Presti são os campeões que estarão com os alunos pelo Programa Heróis Olímpicos CAIXA

Brasil não pode fazer reforma ‘meia-boca’, afirma Bolsonaro

Presidente disse que a Câmara dos Deputados é soberana para fazer alterações, mas que espera que proposta não seja desidratada

Jair Bolsonaro extingue o horário de verão

A decisão extingue o horário de verão por tempo indeterminado e não apenas para 2019

Kygo e Rita Ora estreiam novo single e clipe para “Carry On”

Música faz parte da trilha sonora do filme Pokémon: Detetive Pikachu