22.9 C
Rio de Janeiro
sábado, 20 de abril de 2019 6:1106
- Publicidade -

Cármen Lúcia vê mudança perigosamente conservadora no Brasil e no mundo

- Publicidade -

A ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Cármen Lúcia disse, nesta segunda-feira (5), que o Brasil e o mundo passam por uma mudança perigosamente conservadora. Ela defendeu a manutenção de direitos fundamentais conquistados ao longo dos últimos 30 anos, sob a vigência da Constituição de 1988.

“Queria lembrar que estamos vivendo mudanças não só no Brasil. Uma mudança inclusive conservadora em termos de costumes. Às vezes, na minha compreensão de mundo, e é só na minha, não significa que eu esteja certa, perigosamente conservadora porque a tendência é que de direitos fundamentais que são conquistados a gente recue”, disse.

- Advertisement -

Para Cármen Lúcia, mesmo que as mudanças eventualmente não sejam as desejadas, “se tiver respeito à Constituição já é um ganho”. A ministra participou na manhã desta segunda do seminário “Desafios Constitucionais de Hoje e Propostas para os Próximos 30 Anos”, promovido em Brasília pela editora Fórum.

O tema da palestra de Cármen Lúcia foram as mudanças promovidas pelo Supremo nos últimos 30 anos. A ministra mostrou-se otimista em relação às conquistas e destacou o direito à liberdade de expressão.

“O brasileiro está nas ruas, está presente. Se ele fala algo que não gosto, não é meu inimigo”, disse. “Essa é uma mudança que foi possível porque vivíamos em 88 e continuamos vivendo numa democracia.”

No entanto, Cármen Lúcia ressaltou que a luta pela democracia é permanente. “[Em 1988] O país vinha de um processo extremamente doloroso, de uma ditadura que tinha lutas e lutos. As lutas não acabam, porque a democracia e a Justiça são lutas permanentes”, afirmou.

“Mesmo que eu fique preocupada com as escolhas feitas, elas são típicas de cidadãos livres”, disse.

Após a palestra de Cármen Lúcia, o ministro aposentado do STF Carlos Ayres Britto falou sobre a força normativa da Constituição, que, para ele, aumenta conforme o tempo passa.
“[O artigo 78 da Constituição diz:] O presidente da República e o vice tomarão posse perante o Congresso Nacional. Seja quem for o presidente da República, tem que baixar sua crista. Eventualmente elitista, eventualmente autoritário, tem que baixar a crista para a Constituição. Porque, se não baixar a crista, salta do [artigo] 78 para o 87. O que é o 87? O impeachment”, disse Ayres Britto.

“A gente ‘desfulaniza’ as coisas e percebe que povo desenvolvido é o que gravita em torno das instituições. Queremos instituições, agentes de instituições fiéis a elas, e elas fiéis às suas finalidades. Nessa eleição nada foi teórico, nada foi conceitual. Foi tudo na base do xingamento, da resposta, tanto que o índice de rejeição foi muito alto dos dois lados, nunca vi um índice de rejeição tão alto. Um chamamento lógico, racional que se faz ao país é um retorno à conceitualidade”, declarou.

“Chegaremos em breve à conclusão de que esse pugilato leva à agudização da crise”, concluiu.

Questionado por jornalistas ao final do evento, Ayres Britto disse que vê a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) “sob o prisma da Constituição”. “Está eleito, é o presidente, vai tomar posse, para representar a coletividade toda. Claro que haverá oposição, democracia vive de oposição. Democracia é o governo das maiorias, respeitados os direitos das minorias”, afirmou.

Últimas Notícias

Vanderlei Luxemburgo nega acerto com Vasco da Gama: Irresponsabilidade

O ex-jogador e comentarista deu a informação sobre o acerto entre Luxemburgo e o Vasco nesta sexta-feira, 19, durante o programa Expediente Futebol, da Fox Sports.

Campello acerta com Vanderlei Luxemburgo para novo técnico do Vasco da Gama, diz Edmundo

Segundo o ex-jogador e comentarista, Alexandre Campello está acertado com Vanderlei Luxemburgo que deve ser anunciado após a partida contra o Flamengo.

Werley acredita em reação do Vasco da Gama contra o Flamengo na final do Carioca

Para o confronto com o Rubro-Negro, o Almirante espera contar com os retornos de Fernando Miguel, Leandro Castan e Rossi

Alexandre de Moraes revoga decisão que mandou site retirar notícia do ar

O Ministro revogou a decisão por entender que foi esclarecido posteriormente que o documento no qual Toffoli foi citado realmente existe.

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 60 milhões neste sábado

A quina teve 81 apostas premiadas com mais de R$ 48 mil, cada uma. As chances de acertar as seis dezenas da Mega são de mais de 50 milhões por uma

Simone e Simaria, Wesley Safadão e Marília Mendonça agitam o Altas Horas

O programa ainda conta com uma apresentação especial do espetáculo OVO, do Cirque Du Soleil