Rogério Ceni durante jogo do Fortaleza na Série B do Brasileiro - Fortaleza E.C/Divulgação
Rogério Ceni durante jogo do Fortaleza na Série B do Brasileiro - Fortaleza E.C/Divulgação

Um dos jogadores mais vitoriosos do futebol brasileiro, Rogério Ceni, 45, obteve seu primeiro triunfo como técnico neste sábado (3).

Ele não levantou um troféu de campeão, mas o sabor é parecido. O treinador colocou o Fortaleza de volta na Série A do Brasileiro após 13 anos -a  última vez que o time cearense havia disputado a elite do futebol nacional foi em 2006.

O acesso foi conquistado com a vitória sobre o Atlético-GO por 2 a 1, fora de casa, pela 34ª rodada da segunda divisão nacional. Assim, chegou aos 64 pontos e não pode ser mais alcançado pelo quinto colocado, hoje o Vila Nova.

O acesso foi a primeira glória do agora treinador na nova profissão, após passagem frustrada pelo São Paulo, onde foi demitido após sete meses de trabalho em 2017. A história de 25 anos no clube e os títulos conquistados que lhe renderam o apelido de “Mito”, não foram suficientes para mantê-lo no cargo após a equipe entrar na zona de rebaixamento do Brasileiro.

Rogério Ceni foi anunciado pelo Fortaleza há praticamente um ano -no dia 10 de novembro. O acordo, articulado durante uma semana com conversas ao telefone e fechado após uma reunião de cinco horas em São Paulo, surpreendeu muita gente.

“Ele tinha outras propostas, mas aceitou a nossa. Oferecemos um salário maior do que era a nossa previsão e ele cedeu  aceitando receber menos do que ganhava no São Paulo”, disse o presidente do Fortaleza e idealizador da contratação, Marcelo Paz, que não revela o salário do técnico.

Pelo acordo, Ceni ganha uma porcentagem dos patrocínios que o clube consegue fechar para ele.
Atualmente, nos uniformes de treino, o ex-goleiro usa a logomarca da Servis, do ramo de segurança. Em jogos, o ele costuma usar traje social, sem mostrar a marca de apoiadores do clube, como fazia no São Paulo.

“É uma fonte de extra de receita para o clube também. O valor [do patrocínio] é dividido entre o Fortaleza e o Rogério”, afirmou o dirigente.

Quando chegou ao Fortaleza, Ceni pode levar profissionais de sua confiança. Trabalham com ele no clube o preparador físico Danilo Augusto, o auxiliar técnico Nelson Simões, o francês Charles Hember para ser supervisor técnico, e o preparador de goleiros Haroldo Lamounier, contratado em fevereiro após a saída de Bosco, outro que havia intermediado sua contratação. Todos já conhecidos de Rogério da época de São Paulo.

Ele também solicitou e foi atendido com mudanças estruturais. Pediu a construção de um campo adicional na sede do clube, além de uma academia nova. O treinador também mudou o local de treinamentos da na sede perto do centro da capital, no estádio Alcides Santos, para o CT em Maracanaú, a 24 km do centro de Fortaleza, onde ficavam as categorias de base.

No local, o clube reformou refeitório, vestiário, sala de imprensa e da comissão técnica, além de melhorar os campos de treinamento. Ceni sugeriu mudanças até na alimentação dos jogadores.

“Ele não é pidão, mas sim exigente. Nada de exagero, frescura ou preciosismo, mas deseja que as coisas funcionem bem”, diz Marcelo Paz.

“O CT em Maracanaú era muito grande, mas estava subutilizado. O Ceni pediu para que os treinos fossem realizados lá para ter mais isolamento. Fizemos um investimento de aproximadamente R$ 300 mil em estrutura, mas foi importante. Fica como legado”, completou o dirigente.

Apesar do acesso concretizado neste sábado, Rogério Ceni não viveu só momentos de alegria no Fortaleza. Ele sofreu com questionamentos e críticas de torcida e conselheiros, que pediram a sua saída após a final do Estadual –perdeu para o rival Ceará.

O técnico ainda não venceu o principal rival na temporada (três derrotas e um empate).
As críticas recebidas eram por conta das constantes mudanças na equipe. Em 18 jogos pelo Cearense, não repetiu a mesma equipe em duas partidas consecutivas. Os torcedores também reclamavam da falta de padrão tático.

Hoje, o Fortaleza tem a sua forma de jogar. A equipe varia do 4-1-4-1 na defesa para o 4-3-3 quando ataca, apostando em jogadores de velocidade pelos lados do campo. O time também procura manter bola para ter o controle do jogo.

“O Rogério é muito bom profissional, muito dedicado, estuda o adversário, estuda o nosso time. Não diminui a intensidade de trabalho. Não importa se está na liderança ou não. Ele acompanha a Série C, a Série B e a Série A e tem um espirito de vencedor”, disse o presidente, afirmando que as 32 contratações feitas pelo clube passaram pelo “crivo do treinador e da diretoria”.

No São Paulo, Rogério Ceni também foi criticado por alterar muito a equipe. Assim como no Fortaleza, apostava em jogadores rápidos para jogar nas pontas.

“O trabalho é o mesmo. Ele montou um time jovem, com jogadores da base. Pelas circunstancias econômicas do São Paulo, o clube negociou alguns jogadores que eram importantes, como o Luiz Araújo e o Thiago Mendes, e isso prejudicou o trabalho do Rogério”, disse o preparador de goleiros Haroldo Lamounier, que treinou Ceni entre 2003 e 2015 no São Paulo.

Na opinião de Paz, Ceni é muito importante para o Fortaleza, assim como o time foi para ele neste recomeço.
“O Fortaleza fez bem para o Ceni também. Ele conheceu outra realidade aqui, com menos dinheiro. Como profissional, está tendo a experiência de concluir o trabalho, o que ele não pôde no São Paulo”, completou o presidente da equipe cearense, que espera agora abrir negociações para renovar o contrato do treinador.