27.4 C
Rio de Janeiro
terça-feira, 23 de abril de 2019 9:3408
- Publicidade -

Bolsonaro segue passos de Trump e adota rede social para discursar

- Publicidade -

A admiração do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pelo americano Donald Trump não se resume apenas a adotar uma estratégia de campanha parecida ou medidas controversas, como transferir para Jerusalém a embaixada brasileira em Israel.

A inspiração chega ao ponto de influenciar o método usado pelo brasileiro para se comunicar: em vez de meios de comunicação tradicionais, as redes sociais. A exemplo do que acontece nos Estados Unidos, o Brasil caminha para ter um tuiteiro em chefe, apelido que Trump recebeu de críticos e adversários.

- Advertisement -

Nos Estados Unidos, imprensa e população descobriram que a melhor forma de saber o que o presidente está pensando é acessando o Twitter –a qualquer hora do dia.

A rede social é usada pelo americano para se manifestar sobre todos os assuntos, como imigração, eleições legislativas e opositores.

Quando decide atacar alguém, é igualmente direto. Quando o senador Ted Cruz era adversário nas primárias republicanas, em 2016, era “Ted mentiroso”; hoje, aliado, é o “Ted bonito”.

Hillary Clinton, rival derrotada pelo republicano há dois anos, é “Crooked Hillary” (algo como “Hillary desonesta”).
Os seguidores do perfil do americano somam 55,6 milhões. Um dia antes de ser eleito, em 2016, eram 19 milhões.
O número de mensagens também é expressivo: até esta sexta (2), foram 39,5 mil tuítes -o primeiro deles, em 2009.
A atividade do republicano na rede social é tão intensa que a emissora CNN, uma das que estão no rol denominado por Trump como ‘Mídia Fake News’, fez uma página na internet em que compila todas as mensagens. O nome: Todos os tuítes do presidente.

Por que tanta mensagem? Nas palavras do presidente, em tuíte de dezembro de 2017: “É a única forma de lutar contra uma ‘imprensa’ MUITO desonesta e injusta, agora regularmente referida como Mídia Fake News. ‘Fontes’ falsas e inexistentes são usadas mais comumente do que nunca. Muitas histórias e reportagens que são pura ficção!”

Bolsonaro ainda não publicou um manifesto parecido e, no Twitter, está engatinhando tanto no alcance quanto na interação com os seguidores à la Trump. O presidente eleito tinha 2,27 milhões de seguidores, e 5.428 tuítes até a última sexta.

Enquanto este texto era escrito, na última sexta, um dos últimos era: “Desautorizo informações prestadas junto à mídia [sic] por qualquer grupo intitulado ‘equipe de Bolsonaro’ especulando sobre os mais variados assuntos, tais como CPMF, Previdência, etc”.

Foi pelo Twitter que Bolsonaro anunciou a indicação do astronauta Marcos Pontes como ministro da Ciência e Tecnologia e que o juiz Sergio Moro aceitou o convite para o Ministério da Justiça.

Para Richard Perloff, professor de comunicação, psicologia e ciência política da Universidade Estadual de Cleveland, o objetivo de ambos, ao usar a rede social, é estabelecer uma relação de proximidade com o público, sem intermediação, e impulsionar sua agenda política.

“Você fala de uma maneira pessoal com seus seguidores e traça uma linha imaginária ao redor da mídia tradicional”, diz. “É bom para os políticos. Mas o problema é se a informação que o público receber vier apenas do Twitter e se não houver checagem dos fatos.”

Para o professor, o Twitter amplia a mensagem dos presidentes, por ser uma rede social que exige textos curtos (280 caracteres) e que apela “para a falta de foco” que as pessoas têm ao usar mídias sociais.

No caso de Trump, diz, “ele está dando às pessoas o que quer, apela aos piores instintos delas quando escreve no Twitter”. Sobre a parte da agenda política, a rede social é usada por Trump majoritariamente para pautar a mídia, na avaliação do especialista.

Presidentes assíduos nas redes sociais

COMO USAM

TRUMP

Manifesta-se no Twitter sobre todos os assuntos, como imigração e eleições legislativas.
Também são frequentes críticas a opositores e ataques a meios de comunicação

BOLSONARO

Com poucas agendas públicas na reta final da campanha, usou a rede social para divulgar propostas de governo e atacar adversários. Após a eleição, anunciou ministros pelo Twitter

55,6 milhões

seguem Trump no Twitter

2,27 milhões

seguem Bolsonaro na rede social

Últimas Notícias

Confira a provável escalação do Vasco da Gama contra o Santos

Marcos Valadares agradece por chance no profissional e pede pelo apoio da torcida

Sonho do Vasco da Gama, Jorge Jesus recebeu 8 milhões de euros em seu último trabalho

O clube de São Januário ainda não formalizou uma proposta oficial mas pretende apresentar um projeto ao ex-treinador de Benfica e Sporting

Vasco da Gama quer o português Jorge Jesus como seu novo técnico

Nesta terça-feira, 23, Alexandre Faria conversou por alguns minutos por telefone com o treinador e iniciou os contatos para tentar contratá-lo.

The Noite recebe Marcelo Tas e jurados do “Batalha Makers”

Sobre os novos desafios de sua carreira, Marcelo Tas comenta sua estreia como apresentador do programa “Provocações”, na TV Cultura

‘Atentado ao Hotel Taj Mahal’ traz debate sobre intolerância religiosa

Baseado em história real, o longa conta com elenco majoritariamente indiano, incluindo o ator e diretor de Bollywood Anupam Kher

Vasco da Gama descarta Jair Ventura e Luxemburgo e busca inovação

O clube não descarta investir em um técnico estrangeiro e mapeia o mercado Sul-americano em busca de opções.

Garis do Rio de Janeiro suspendem greve

Categoria retoma atividades nesta terça-feira

Governo está negociando pontos da reforma na CCJ, diz líder

Para Joice Hasselmann, "espinha dorsal" da proposta deve ser mantida

Vasco da Gama se aproxima de Jair Ventura; Negociação envolve reforços de Carlos Leite

Empresário participa da negociação e pode trazer jogadores para o clube disputar o Brasileirão