Doing a Product Placement Ad In Style with Beanies

When creating an online portfolio to showcase your brand, style, and persona, you need to ask yourself questions like: “What is the best photo...

How to Tell your Model to Pose on a Chair

When creating an online portfolio to showcase your brand, style, and persona, you need to ask yourself questions like: “What is the best photo...

5 Tips on Taking the Best Close-up Shots of Earrings

When creating an online portfolio to showcase your brand, style, and persona, you need to ask yourself questions like: “What is the best photo...
Redaçãohttps://www.odiariocarioca.com/
Últimas notícias do Rio de Janeiro, Brasil e Mundo. Notícias de Política, Esporte, Estilo e Entretenimento. Fotos e Vídeos.

PT ajuíza ação contra normas que aumentam quantidade máxima para aquisição de munição

O Partido dos Trabalhadores (PT) contesta, no Supremo Tribunal Federal (STF), normas que aumentaram a quantidade máxima de munição que pode ser adquirida por órgãos e instituições e por pessoas físicas autorizadas a portar armas de fogo. O relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6466 é o ministro Edson Fachin.

A norma questionada é o Decreto 10.030/2019, que alterou os Decretos 9.845/2019 e 9.847/2019, e a Portaria Interministerial 1.634/2020 dos Ministérios da Defesa e da Justiça e Segurança Pública. As normas passaram de 200 a 600 por ano para 550 a 650 mensais a quantidade de munição permitida por arma de fogo registrada no Brasil. Segundo o PT, um dos resultados desse aumento de até 3.200% é que o crime organizado e as milícias podem passar a “se abastecer de artefatos bélicos adquiridos regularmente por pessoas registradas”, para alimentar as redes de tráfico de drogas e outros crimes.

Para o partido, conceder maior acesso a armas de fogo não significa um aumento do controle dos índices de criminalidade. “De igual forma, não representa uma maior segurança do cidadão armado”, argumenta.

Quantidade suficiente

O pedido do PT é que o ato questionado seja interpretado com base no pressuposto da proteção à vida e à segurança da população e na garantia do monopólio do uso legítimo da força pelo Estado, a fim de que a aquisição de armamento se restrinja a quantidade suficiente à proteção do particular. A interpretação conforme a Constituição (artigos 5º, caput; 6º; 144, caput) visa reafirmar que a segurança pública é dever do Estado, vedando-se a banalização do armamento da população.

EC/AS//CF

- A word from our sposor -

PT ajuíza ação contra normas que aumentam quantidade máxima para aquisição de munição