25 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, outubro 19, 2020
- Publicidade -

IBGE: 1,1 milhão de pessoas voltaram ao trabalho no início de agosto

- Publicidade -
- Publicidade -

Cerca de 1,1 milhão de pessoas voltaram ao trabalho na primeira semana de agosto (dias 2 a 8), depois de ficarem afastadas por causa do distanciamento social provocado pela pandemia de covid-19. Com isso, cerca de 4,7 milhões de pessoas (5,7% da população ocupada) continuavam afastadas do trabalho no início do mês. O resultado faz parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Covid-19) semanal, divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Não houve coleta de dados na última semana de julho (de 26 de julho a 1º de agosto), devido a uma parada técnica da pesquisa. Mas, na penúltima semana daquele mês (dias 19 a 25), a população afastada chegava a 5,8 milhões, ou 7,1% da população ocupada.

- Publicidade -

Na primeira semana da pesquisa (de 3 a 9 de maio), o afastamento atingiu 16,6 milhões de trabalhadores, ou 19,8% da população ocupada.

A população ocupada do país foi estimada em 81,6 milhões na semana de 2 a 8 de agosto. Isso representa estabilidade em relação à penúltima semana de julho, quando o número era de 81,2 milhões de pessoas, mas de queda em relação à semana de 3 a 9 de maio. Lá eram 83,9 milhões de pessoas.

- Publicidade -

A população ocupada e não afastada do trabalho chegou a 74,7 milhões de pessoas, uma elevação na comparação com a penúltima semana de julho, quando eram 72,3 milhões e ainda em relação à semana de 3 a 9 de maio (63,9 milhões).

Dessas pessoas, 8,6 milhões ou 11,5%, da população ocupada e não afastada, trabalhavam remotamente. O contingente representa estabilidade frente a penúltima semana de julho (8,3 milhões ou 11,5%) e, em números absolutos, em relação à semana de 3 a 9 de maio (8,6 milhões). No entanto, em termos percentuais frente àquela semana (13,4%) houve queda.

O nível de ocupação (47,9%) ficou estável na comparação à penúltima semana de julho (47,7%), mas com recuo em relação à semana de 3 a 9 de maio (49,4%).

Informalidade

A taxa de informalidade aproximada registrou 34,2% e também mostrou estabilidade em relação à penúltima semana  de julho (33,5%), mas recuou n comparação com a semana de 3 a 9 de maio (35,7%).

A população desocupada de 12,6 milhões de pessoas, também é uma estabilidade frente a penúltima semana de julho, quando era 12,9 milhões, mas superior à da semana entre 3 e 9 de maio de 9,8 milhões. Com o resultado, a taxa de desocupação atingiu 13,3% no período de 2 a 8 de agosto, o que representa estabilidade em relação à penúltima semana de julho (13,7%) e alta na comparação com a primeira semana de maio (10,5%).

Ainda na primeira semana de agosto, a taxa de participação na força de trabalho (55,3%) ficou estável, tanto na comparação com a da penúltima semana de julho (55,3%), como com a primeira semana de maio (55,2%).

Os que não estavam trabalhando nem procuravam por trabalho, ou seja, fora da força de trabalho, chegaram a 76,1 milhões de pessoas, e permaneceu estável na comparação à penúltima semana de julho (76,0 milhões), como também em relação à semana de 3 a 9 de maio (76,2 milhões). Entre essas pessoas, cerca de 28,1 milhões, ou 36,9% da população fora da força de trabalho, gostariam de trabalhar. Isso significa estabilidade em relação à penúltima semana de julho (28,0 milhões ou 36,9%) e ainda na comparação com a semana de 3 a 9 de maio (27,1 milhões ou 35,5%).

A pandemia e a falta de ocupação na localidade em que moravam foram os motivos de cerca de 18,3 milhões de pessoas fora da força que gostariam de trabalhar e não procuraram trabalho. Esse contingente, que corresponde a 24,1% das pessoas fora da força, permaneceu estável em relação à penúltima semana de julho (18,5 milhões ou 24,4%) e à semana de 3 a 9 de maio (19,1 milhões ou 25,1%).

Pandemia

Na primeira semana de agosto, a Pnad Covid-19 estimou em 13 milhões de pessoas (ou 6,2% da população do país), as que apresentavam pelo menos um dos 12 sintomas associados à doença como febre, tosse, dor de garganta, dificuldade para respirar, dor de cabeça, dor no peito, náusea, nariz entupido ou escorrendo, fadiga, dor nos olhos, perda de olfato ou paladar e dor muscular, que são os investigados pela pesquisa.

O total representa estabilidade na comparação à penúltima semana de julho (13,3 milhões ou 6,3% da população) e queda em relação à semana de 3 a 9 de maio (26,8 milhões ou 12,7%).

Entre os que tiveram algum sintoma, cerca de 3,2 milhões de pessoas ou 24,3%, procuraram estabelecimento de saúde em busca de atendimento em postos de saúde, equipe de saúde da família, unidade de pronto atendimento (UPA), pronto-socorro ou hospital do SUS ou, ainda, ambulatório /consultório, pronto-socorro ou hospital privado, o que significa que ficou estável em relação à penúltima semana de julho (3,3 milhões ou 24,3%) e em números absolutos, apesar de ter alta em termos percentuais frente a semana de 3 a 9 de maio, quando ficou em 3,7 milhões ou 13,7%. Os atendimentos na rede pública de saúde superaram os 82%.

Ouça na Radioagência Nacional:

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Vasco da Gama: Ricardo Sá Pinto comanda primeiro treino em São Januário

Outra novidade no treinamento cruzmaltino em São Januário foi a presença do meio-campista Leonardo Gil.

HBO divulga trailer da segunda temporada de ‘His Dark Materials’ que estreia em novembro

A HBO apresenta o trailer da segunda temporada de HIS DARK MATERIALS, que estreia no dia 6 de novembro na HBO e na HBO GO e acompanha a...

TV Cultura leva ao ar o especial Poesia na Quarentena

Sem palcos e plateia, a produção artística teve que se reinventar na pandemia. O especial Poesia na Quarentena vem para relatar o...

“Papo de Segunda” recebe virtualmente a atleta Carol Solberg e o ator Raphael Logam

Fábio Porchat e seus companheiros Emicida, João Vicente e Chico Bosco recebem a atleta Carol Solberg e o ator...

Viola Davis é a estrela do evento Cidadão Global 2020

Nas duas primeiras edições, em 2017 e 2019, o premiado evento Cidadão Global, idealizado por Santander Brasil e Valor Econômico, iniciou uma série...

Polícia Civil prende acusado de estupro na Universidade Federal Rural

As investigações iniciaram após o registro da ocorrência. A equipe da 48ª DP realizou diligências para identificar e encontrar o suspeito.

O TEMPO E A TEMPERATURA: Sul do país tem previsão de chuvas fracas

Nesta terça-feira (20), apesar do avanço de uma frente fria, não há previsão de grandes volumes de chuva na...

O TEMPO E A TEMPERATURA: Centro-Oeste terá tempo instável em grande parte da região, nesta terça (20)

Nesta terça-feira (20), a previsão do tempo para o Centro-Oeste do país é de tempo instável em grande parte...

Alerj vota veto a projeto sobre venda de armas a agentes da Segurança Pública

A inclusão na pauta foi uma resposta do presidente, André Ceciliano (PT), ao pedido feito pelo deputado Bruno Dauaire (PSC) na sessão plenária da última terça-feira (13). Este será o único veto a ser analisado pelos parlamentares na semana.

Morre no Rio, aos 104 anos, o policial mais antigo da Polícia Militar

Morreu em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, neste domingo (18), aos 104 anos, o tenente-coronel João Freire Jucá Sobrinho, da Polícia Militar do antigo estado da Guanabara, quando o Rio ainda era capital da República. Ele era o policial mais antigo da instituição.

Quadras das escolas de samba do Rio de Janeiro podem voltar a funcionar esta semana.

Após conseguir a liberação das rodas de samba junto à Prefeitura, o vereador Felipe Michel, ex-secretário de Eventos, intercedeu pelas escolas de samba, que estarão liberadas para funcionar já esta semana. O decreto deve ser publicado no Diário Oficial desta terça-feira, 20.
- Publicidade -