23.4 C
Rio de Janeiro
sábado, setembro 26, 2020
- Publicidade -

O namoro do crânio de Broken Hill leva a perguntas sobre a ancestralidade humana moderna

- Publicidade -
- Publicidade -

Cientistas do Museu de História Natural ajudaram a datar o crânio de Broken Hill, um dos principais seres humanos descobertos na África na década de 1920. O estudo liderado pelo professor Rainer Grün da Universidade Griffith, na Austrália, estima que o crânio tenha entre 274.000 e 324.000 anos, muito mais jovem do que se pensava anteriormente. Cientistas do Museu de História Natural ajudaram a datar o crânio de Broken Hill, um dos principais seres humanos descobertos na África na década de 1920. O estudo liderado pelo professor Rainer Grün da Universidade Griffith, na Austrália, estima que o crânio tenha entre 274.000 e 324.000 anos, muito mais jovem do que se pensava anteriormente. Descoberto em 1921 por mineiros da Zâmbia, o crânio de Broken Hill é um dos fósseis mais bem preservados da espécie humana primitiva Homo heidelbergensis e foi estimado em cerca de 500.000 anos. O fóssil foi doado ao Museu de História Natural na década de 1920 e está atualmente em exibição na galeria de Evolução Humana do Museu. Devido à descoberta casual dos restos e à subsequente destruição do local original pela mineração, historicamente tem sido muito difícil determinar a idade do crânio. A equipe de pesquisa usou métodos de datação radiométrica no próprio crânio e material recuperado perto do crânio, além de outras descobertas do local. Os pesquisadores também usaram sedimentos raspados diretamente do crânio na década de 1920, que foi descoberta recentemente nas coleções do Museu de História Natural. O professor Chris Stringer, do Museu de História Natural, disse: “Através de anos de trabalho meticuloso, incluindo datação direta do crânio e outros materiais encontrados no local de Broken Hill, eu, o geocronologista Rainer Grün e outros colegas, produzimos uma melhor estimativa de idade de cerca de 299.000 anos para o crânio de Broken Hill. Isso é surpreendentemente jovem, pois seria de esperar que um fóssil de cerca de 300.000 anos mostrasse características intermediárias entre H. heidelbergensis e H. sapiens, mas Broken Hill não mostra características significativas de nossa espécie ”. A pesquisa também sugere que a evolução humana na África, cerca de 300.000 anos atrás, era um processo muito mais complexo, com a coexistência de diferentes linhagens humanas. O professor Stringer continua: “Anteriormente, o crânio de Broken Hill era visto como parte de uma sequência evolutiva gradual e generalizada na África, de humanos arcaicos a humanos modernos. Mas agora parece que a espécie primitiva Homo naledi sobreviveu no sul da África, H. heidelbergensis estava no sul da África central, e as primeiras formas de nossa espécie existiam em regiões como Marrocos e Etiópia ”. Museu de História Natural Header Image – “Caveira Quebrada da Colina” de Kabwe (réplica) – Crédito da Imagem: Gerbil

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Planeta Atlântida não irá acontecer em 2021

Decisão, comunicada nesta quinta-feira (24), tem o objetivo de preservar a segurança do público, das equipes, dos artistas e dos parceiros do festival devido à pandemia

Luiz Lima, candidato a prefeito, estará em Campo Grande neste domingo

Luiz Lima, candidato a prefeitura do Rio de Janeiro pelo PSL, vai cumprir sua agenda de campanha neste domingo, 27.

Adesanya é favorito na luta contra Paulo “Borrachinha” Costa pelo cinturão peso-médio do UFC

Atual campeão, o nigeriano Israel Adesanya tem 61% de probabilidade de manter o título no UFC 253, que será disputado neste sábado em Abu Dhabi

Vasco da Gama x RB Bragantino: onde assistir ao vivo e escalações

Andrey e Benitez são poupados e Pikachu e Felipe Bastos devem ser barrados do time do Vasco da Gama por Ramon Menezes
- Publicidade -