22.6 C
Rio de Janeiro
domingo, setembro 20, 2020
- Publicidade -

O cérebro de Lucy era parte do macaco, parte humana

- Publicidade -
- Publicidade -

O famoso espécime Lucy, com 3,2 milhões de anos de idade, cativou os cientistas desde que foi descoberto em 1974. Lucy era membro da espécie Australopithecus afarensis, que andava na vertical e provavelmente ferramentas usadas. As novas varreduras do interior dos crânios do Australopithecus revelam que esses hominídeos extintos tinham cérebros surpreendentemente semelhantes a macacos, que se desenvolveram mais como cérebros humanos. desenvolver até a maturidade. Os cientistas debateram quando, durante nossa evolução, esses traços se desenvolveram: eles assumiram uma organização semelhante à humana durante a era do Australopithecus ou durante a evolução de hominídeos posteriores? Um novo estudo parece contrariar alegações anteriores, mostrando que o cérebro de Lucy teria sido muito parecido com um macaco – e, no entanto, também demonstra padrões semelhantes aos humanos na maneira como se desenvolve. “O que é realmente intrigante, porém, é que, embora o o cérebro se parece muito com um cérebro de macaco, tem uma característica semelhante à humana – que cresce por um longo período de tempo ”, disse o autor do estudo Philipp Gunz, antropólogo biológico do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária. “O que é realmente intrigante, porque sugere que algumas das características modernas únicas no que diz respeito ao aprendizado da infância e à plasticidade do cérebro podem ter profundas raízes evolutivas já presentes no Australopithecus afarensis.” A equipe analisou dois bebês bem preservados do Australopithecus afarensis. espécimes e seis adultos, incluindo o famoso fóssil Lucy, usando tomografia computadorizada convencional e tomografia computadorizada da luz de alta energia produzida no European Synchrotron Radiation Facility, um acelerador de partículas na França. Ao escanear o interior do crânio, é como se eles estivessem criando um molde, mas usando luz em vez de material de moldagem. Eles usaram técnicas de reconstrução virtual para corrigir como qualquer dano aos crânios pode ter afetado o elenco, o que lhes permitiu gerar imagens de alta resolução de como era a superfície dos cérebros do Australopithecine. Mais notavelmente, os exames revelaram um recurso anteriormente não detectado em Cérebros Australopithecine: o sulco lunado. Essa é uma fissura nas dobras do cérebro, encontrada mais à frente em chimpanzés do que em humanos e normalmente não seria encontrada em um molde do interior de um crânio humano. A detecção “inequívoca” do recurso em um dos crânios infantis do Australopithecus, bem como em outras dobras, demonstra que a superfície geral do cérebro parecia muito mais um cérebro de macaco do que um cérebro humano. A equipe não encontrou nenhuma evidência de que o cérebro do Australopithecus tivesse se reorganizado em um layout ou tamanho mais humano, de acordo com o artigo publicado ontem na Science Advances. Os pesquisadores acompanharam a análise do elenco com um estudo de como os espécimes jovens ‘cérebros desenvolvidos. Pesquisas anteriores demonstraram que o desenvolvimento dentário pode ser usado para modelar a idade de um espécime na morte e, nesse caso, as duas crianças do Australopithecus provavelmente tinham cerca de dois anos e meio de idade quando morreram. Eles compararam o volume estimado da parte interna do crânio das crianças e dos adultos, a fim de gerar uma trajetória de crescimento cerebral. Eles calcularam que o Australopithecus já havia desenvolvido um período mais longo de desenvolvimento cerebral – mais humano do que chimpanzé. “Todos temos a tendência de observar a evolução em um continuum”, Jeremy DeSilva, professor associado de antropologia em Dartmouth que revisou o estudo, disse ao Gizmodo. Mas “essa ideia de tudo que está evoluindo em sincronia é destruída por um artigo como esse. Isso mostra que, como tudo na evolução humana, evoluímos de uma maneira mais modular, em mosaico, onde aspectos de nossa anatomia evoluíram em taxas diferentes. ”Em outras palavras, a evolução do macaco para o humano não funcionou linearmente . Nossos ancestrais pré-humanos podem ter assumido certas características humanas, ao mesmo tempo em que mantêm distintamente características semelhantes a macacos. DeSilva explicou que, na cintura para baixo, o Australopithecus parecia marcadamente humano, mas acima da cintura eles mantinham uma aparência de macaco. Comparando os fósseis do crânio e os fósseis da pelve, sugere que o Australopithecus precisaria de ajuda para dar à luz como os humanos, DeSilva disse que, embora o estudo inclua um grande número de espécimes fósseis, há sempre o desejo de mais, especialmente devido à pouca quantidade de dados com que os antropólogos precisam trabalhar, explicou Gunz ao Gizmodo. Mais fósseis poderiam ajudar a confirmar que esses padrões evolutivos poderiam ser estendidos para a espécie como um todo e não eram apenas peculiaridades dos poucos indivíduos que os cientistas escavaram. Ainda assim, este artigo confirma que a evolução não funciona no corte e no corte. maneira seca que você pode imaginar com base em uma imagem clichê.

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Série C: Paysandu entra no G-4 do Grupo A, e Ypiranga assume vice-liderança da outra chave

Confira os resultados dos cinco jogos realizados neste domingo (20), válidos pela sétima rodada da competição ...

Mais dez equipes estreiam com vitória na Série D 2020

16 jogos deram sequência à primeira rodada da Série D do Campeonato Brasileiro, neste domingo. Veja como foi ...

Escola.Rio: Programa na Band Rio terá conteúdo curricular para o 9º ano na semana de 21 a 26 de setembro

Alunos ganharão reforço de Matemática, Língua Portuguesa, Ciências, História e Geografia na faixa 7.1 da TV aberta

Feminino A-1: Seis partidas sofrem alteração de horário

As mudanças foram feitas, em sua maioria, para encaixe na grade de programação das emissoras que transmitem o torneio. ...

Brasileiro A-1: Corinthians x Vitória tem data e horário alterados

As alterações na partida vieram a pedidos do Alvinegro, mandante do jogo. A Diretoria de Competições da CBF...

Brasileiro Sub-20: Chapecoense e Botafogo definem sede como mandantes

O Glorioso e o Verdão do Oeste já sabem onde vão mandar seus primeiros jogos da competição. Na...

Série C: Paysandu entra no G-4 do Grupo A, e Ypiranga assume vice-liderança da outra chave

Confira os resultados dos cinco jogos realizados neste domingo...

Mais dez equipes estreiam com vitória na Série D 2020

16 jogos deram sequência à primeira rodada da Série...

Horóscopo de segunda-feira 21 de setembro de 2020

Confira a previsão do horóscopo para o dia 21 de setembro de 2020 e fique por dentro de tudo o que o seu signo lhe reserva para o amor, dinheiro e saúde.
- Publicidade -