Neste sábado (15), data que marca o encerramento da Jornada Nacional da Alimentação Saudável e Contra Fome , foi feita uma doação de aproximadamente dez toneladas de alimentos in natura para 15 bancos populares de alimentos e de 1,2 mil marmitas para pessoas em situação de rua.

A jornada aconteceu de 16 a 15 de outubro, quando foram realizados atividades em defesa da alimentação saudável e pelo combate à fome em comemoração ao Dia Mundial da Alimentação, que aconteceu no dia 17 de outubro.

“A jornada é também uma oportunidade de alertar a população brasileira, uma sociedade, setor empresarial, os governos e a comunidade internacional sobre o momento que a gente vive no Brasil. E ela não se encerra, por que na verdade a jornada é um processo mais de chamar a atenção e o homem ter ativa essa preocupação com a insegurança alimentar da população e essa mobilização de denúncia e ao mesmo tempo de fortalecimento dessas expressões de solidariedade “, afirmou Alexandre Pires, Coordenador da Rede de Bancos Populares de Alimentos, Coordenador do Centro Sabiá e Coordenador Executivo da ASA Pernambuco .

Partilha

Um dos bancos de alimentos contemplados foi a comunidade Vale da Paz, no bairro de Maranguape 2, na cidade de Paulista, que possui 270 famílias cadastradas até o momento. “Com essa pandemia, tem muitas famílias vulneráveis ​​e sem sustento, então isso vai ser muito importante para quem não está tendo condições de se manter”, afirma Luciene Barros, coordenadora do banco e agente popular de saúde na comunidade.

O Armazém do Campo Recife , que se constitui como um espaço da comercialização de produtos da agricultura familiar agregados pela base do Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e, com a pandemia, assumiu um papel importante na doação de alimentos e de marmitas, como o que aconteceu na jornada.

“Isso é uma ampliação na missão do armazém, que deixa de ser um espaço apenas de comercialização para ser um espaço de solidariedade; um espaço da venda para ser um espaço da partilha; um espaço que vende o alimento para ser um espaço para a preparação da alimentação para matar a fome da população em situação de rua “, disse Ramos Figueiredo, administrador do Armazém do Campo do Recife.

Saiba mais: Dia Mundial da Alimentação evidencia a importância de comida boa na mesa

Para o MST, alimentação saudável impacta diretamente na questão da saúde e por isso a importância da Agroecologia no combate a covid – 19.

“A nossa luta hoje é por uma comida limpa e sem veneno e que isso nos remete a questão da saúde e acreditar que é uma saúde de qualidade que vem nos fortalecendo nesse combate à desigualdade e ao uso de agrotóxico. Então, nós como MST na luta pela saúde, acreditamos sempre estar trabalhando a questão da agricultura saudável junto às famílias assentadas e acampadas “, ressalta Leka Rodrigues, dirigente do setor de saúde do MST.

Entre os apoiadores da jornada, está o Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) do Governo do Estado de Pernambuco, que contribuiu com caminhões para o transporte dos alimentos. “O IPA trabalha no aspecto da produção, da organização, do apoio à agricultura familiar, então para a gente é importante esse momento de discussão do Dia Mundial da Alimentação e discutir o papel da agricultura familiar no processo de produção de alimentos saudáveis ​​ea importância de garantir o direito à alimentação e o acesso à alimentação “, acredita o diretor-presidente do IPA, Reginaldo Alves.

“Uma agricultura sustentável, uma agricultura familiar, uma agroecologia é capaz de produzir alimentos, tem solidariedade entre o povo do campo e o povo da cidade para doar alime ntos, mostrando que a gente produz e essa produção poderia ser muito mais fortalecida se houvessem políticas de Estado que promovessem essa possibilidade da população camponesa, da agricultura familiar doar esses alimentos para uma população urbana “, afirmou Alexandre.

A Jornada Nacional da Alimentação Saudável e Contra a Fome realizada pela Campanha Mãos Solidárias, Arquidiocese de Olinda e Recife, Frente Brasil Popular, Campanha Periferia Viva e Fiocruz-PE. Com apoio da Articulação no Semiárido (ASA), Via Campesina, MST, Fetape, CUT, Movimento de Trabalhadores e Trabalhadores por Direito (MTD), Santa Casa de Misericórdia do Recife, UFPE, UPE, Unicap, UFAPE, IFPE e IF-Sertão .

Quem quiser fazer doações para a Rede de Bancos Populares de alimentos, pode levar doações de alimentos e materiais de limpeza para o Banco Mãe ou fazer doações em dinheiro através de transferência ou depósito bancário.

Endereço: Banco Mãe, Rua 1º de Março, n 22 (entrada pela rua do Imperador Dom Pedro II, ao lado do Armazém do Campo Recife)

Para doações em dinheiro:

Associação da Juventude Camponesa Nordestina – Terra livre

Banco do Brasil

Agência 0697 – 1

Conta Corrente 2020 – X (outros bancos, substituir o X por 0)

CNPJ 10. 270. 93 / – 80

Mais informações no site da campanha Mãos Solidárias

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Vanessa Gonzaga