27.6 C
Rio de Janeiro
quinta-feira, outubro 29, 2020
- Publicidade -

SP: cinco candidatos não citam negros no plano de governo e ignoram o racismo

- Publicidade -
- Publicidade -

Dos 15 candidatos que disputam como compatibilidade à Prefeitura de São Paulo, cinco não citam a palavra “racismo”, “negro” ou “negra” em seus planos de governo, são eles: Andrea Matarazzo (PSD), Arthur do Val (Patriota), Celso Russomanno (Republicanos), Filipe Sabará (Novo) e Levy Fidelix (PRTB).

Na outra ponta está Jilmar Tatto (PT) . Somadas, as palavras racismo (17), negro (11) e negra (21), aparece 59 vezes nas 84 páginas de seu Plano de Governo. Nas propostas para Educação, o petista inclui políticas afirmativas para os pretos e parda.

- Publicidade -

“Implementar medidas efetivas e imediatas para que a escola seja um espaço antirracista, com o fortalecimento dos Núcleos de Estudos e Relações Étnico-Raciais (NERER), para combater o racismo estrutural nas escolas e todas as formas de discriminação e preconceito ”, aponta Tatto.

Em seguida, vem Guilherme Boulos (PSOL). O candidato menciona por 46 vezes as palavras racismo (8), negro (13) e negra (27). Em seu programa de governo, o pessolista destaca um tópico para apresentar propostas para combater o racismo na capital paulista.

- Publicidade -

“Constituir o Fundo Municipal de Políticas de Combate ao Racismo com um percentual fixo do orçamento municipal, prioridades definidas pelo Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial (já existente) e gerenciado pela Secretaria de Igualdade Racial a ser reconstituída ”, diz Boulos em seu programa.

Leia também: Racismo reverso, Magazine Luiza e Defensoria Pública da União

Marina Helou (Rede) cita 27 vezes as palavras racismo (7), negro (4) e negra (17). O título de um dos capítulos do programa de governo da candidata é “Emancipar as pessoas”. Nele, a campanha inclinada:

“Implantar o Plano Municipal de Ações Afirmativas e Combate ao Racismo, atualizado por meio da construção junto aos movimentos negros e à população negra e indígenas a partir de mecanismos participativos de escuta, diálogo e construção. ”

Nenhum programa de governo de Antônio Carlos Silva (PCO), que é negro, as expressões racismo (0), negro (11) e negra (1) aparecem 11 vezes.

Carlos, porém, não apresenta propostas para aplacar o racismo na capital. O uso das expressões são em contexto de análise da população negra em São Paulo ou convocatória da população às manifestações. “É preciso sair às ruas para parar o genocídio que tem o povo negro como maior alvo, exigindo-se testes em massa para toda a população, estatização do sistema de saúde, contratação em larga escala de profissionais de Saúde, abertura de separadores de leitos nos hospitais públicos, etc ”, enfatiza o programa do PCO.

Orlando Silva (PCdoB) , que é um dos três negros que disputam a eleição paulistana, cita 13 vezes as palavras racismo (8), negro (4) e negra (1). O comunista tem um capítulo em seu Plano de Governo para tratar do tema: “São Paulo, cidade antirracista”. Nele, o candidato propõe medidas da administração pública.

“Na composição do secretariado, na distribuição dos cargos de chefia, na disposição das políticas públicas, em todas as decisões relevantes, a temática antirracista estará representada. Será tarefa dessa equipe, em articulação com a sociedade civil e com o Legislativo Municipal, propor um Plano Municipal de Promoção da Igualdade Racial, peça central da futura gestão da cidade ”, diz o programa do PC do B.

Em um Plano de Governo de apenas seis páginas, Vera Lúcia (PSTU) cita por 8 vezes as palavras racismo (2), negro (3) e negra (3). Negra, candidata apresentou seu documento de campanha com coleta proposta e mais análises ou críticas à atual gestão.

Em um dos trechos do Plano de Governo, Lúcia pede: “Por uma política de combate ao racismo, machismo, lgbtfobia e xenofobia nas escolas! Fortalecimento dos Conselhos Escolares e da Gestão Democrática, buscando maior diálogo, participação e controle pela comunidade escolar. ”

Nas 84 páginas de seu Plano de Governo, Joice Hasselmann (PSL) não fala sobre racismo e cita a palavra negra uma vez e negro em outra oportunidade. “Há equipes especializadas para atendimento das necessidade de saúde da população indígena , da comunidade LGBT , população negra etc ”, explica a candidata, ao solicitar a solicitação do orçamento de Saúde em São Paulo. Não há propostas para o combate ao racismo no município.

Bruno Covas (PSDB) cita apenas uma palavra racismo, e uma única vez, em seu Plano de Governo de 46 páginas. No capítulo “SP para todos”, o atual prefeito apresenta, genericamente, medidas adotadas por seu governo.

“Com ações de inclusão social, de defesa dos direitos humanos, das minorias, das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, a acolhida aos imigrantes, o respeito à diversidade e à igualdade de gênero, o combate ao racismo e todas as formas de preconceitos e discriminação, os direitos e as pautas das mulheres, com ações firmes de enfrentamento à violência doméstica, o cuidado especial com nossos idosos e políticas públicas desenhadas para a população de rua. Em São Paulo, todas as vidas importam ”, encerra Bruno Covas, usando uma expressão rechaçada pelo movimento negro.

Leia também : Artigo | Conflitos Raciais nos Estados Unidos e no Brasil

Márcio França (PSB) também ignora o racismo em São Paulo e não apresenta propostas para combatê-lo. A única palavra citada pelo candidato é negro, apenas uma vez, em um texto também genérico, em que pede mais diálogo no município.

“Para o bem de São Paulo é preciso manter um diálogo permanente com os trabalhadores, como classes médias, os empresários, os trabalhadores rurais, os religiosos, os jovens, os idosos, os servidores, os negros, as pessoas com deficiências e demais setores da sociedade paulistana ”, propostas o programa de França .

Edição: Rogério Jordão


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Pesquisas mostram que CNN é o canal de notícias mais imparcial do país

Pesquisas realizadas por dois dos maiores institutos do país, o Kantar Ibope Media e o Real Time Big Data,...

Outlander ganha maratonas no mês de novembro

Em novembro, o canal FOX Premium 1 vai realizar em todos os sábados do mês, a partir das 20h30, uma maratona da...

Painel dos filmes sobre o Caso Richtofen acontece hoje na Horror Expo Live 2020

O Caso Richthofen, homicídio brutal que chocou o Brasil em 2002, será revisitado em uma adaptação para dois longas-metragens,...

“Bake Off Brasil” traz rico e impactante ‘Bolo Egito’ na prova criativa deste sábado

Uma cultura fascinante irá inspirar os confeiteiros no ‘Bake Off Brasil – Mão na Massa’ deste sábado, 31 de outubro. Nadja...

Comédia com Billy Crystal, “Caindo em Pé”, é a atração do TNT Original desta sexta

"Caindo em Pé", filme com o selo Particular Crowd, sob a marca TNT Original, estreia nesta sexta, dia 30...

Starzplay anuncia data de estreia e trailer da série dramática ‘No Man’s Land’

Starzplay, o serviço internacional de streaming premium da Starz, anunciou hoje a estreia da série dramática em oito partes,...

Produção nacional Você Renova estreia no Home & Health com a apresentadora Eva Mota

Durante a pandemia, muita gente mudou a relação com a própria casa. Surgiu aquela vontade de mudar completamente um...

Masbah! ensina make especial para o Dia das Bruxas e prepara hambúrguer e pizza de sushi neste sábado

Em clima de Halloween, o “Masbah!” deste sábado, 31 de outubro, ensina a fazer uma make super diferente para comemorar o Dia...

Covid-19 pressiona Reino Unido a seguir bloqueios de França e Alemanha

O Reino Unido resistia nesta quinta-feira (29) à pressão para um segundo lockdown nacional depois que França...

Apostar ao vivo: quais as vantagens e desvantagens?

Quem já tem alguma experiência com o mercado de apostas esportivas sabe que existem alguns ensinamentos básicos a serem dominados e o resto é praticamente todo na base da experiência, da intuição e mesmo do feeling, por assim dizer.
- Publicidade -