20.4 C
Rio de Janeiro
sábado, outubro 31, 2020
- Publicidade -

“Eles não. Tem que ser a gente mesmo”: candidaturas coletivas se espalham pelo país

- Publicidade -
- Publicidade -
- Advertisement -

Em um período de acirrada disputa política no país, uma nova forma de representação tem sido cada vez mais comum nas atualizações: as candidaturas coletivas. Elas surgem principalmente das periferias das grandes cidades brasileiras e querem transformar a política a partir de onde seus pés pisam, pensando na coletividade. Sua missão é ocupar o lugar atualmente reservado ao homem branco e proprietário.

Um exemplo é a Bancada da Quebrada, chapa formada por representantes de diferentes periferias de São Paulo (SP), que tem como proposta colocar a periferia no centro da discussão e levar a potência da coletividade para os espaços tradicionais de poder.

“Precisamos de people for legislar , que rompam com a lógica do poder individualista, a lógica do cada um por si ”, argumenta Anderson Severino, idealizador da chapa coletiva e morador do bairro Capão Redondo, zona sul da capital paulista.

Existe muita intelectualidade na periferia, projetos, pessoas capacitadas.

Severino já participou, sozinho, de duas outras necessárias, mas desta vez, decidiu unir moldes à outros candidatos que têm em comum, além da vivência periférica, o foco em algumas opções específicas: a educação popular e o antirracismo. Para eles, uma combinação dos dois temas é central para que a democratização do acesso aos espaços de poder.

“Existe muita intelectualidade na periferia, projetos, pessoas capacitadas, o que não existe é o conhecimento do povo sobre os trâmites burocráticos das emendas desse dinheiro para auxiliar sua própria realidade. E o que a gente quer é desburocratizar e dar acesso ao povo a esse dinheiro que é seu ”, afirma Lucas Arcanjo, professor de história da rede pública e integrante da chapa.

O formato de candidatura coletiva ainda não é prevista pelas regras do Supremo Tribunal Eleitoral (STE) , portanto, apenas uma pessoa pode ter o nome registrado e ter poder de fala e voto na tribuna. Mas essa limitação não tem impedido que a estratégia venha se popularizando ao longo dos anos.

A periferia pode mostrar um novo tipo de sociabilidade e política, baseada no afeto, no respeito e no perdão.

Segundo estudo da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade , entre 2014 e 844, foram 7 candidaturas coletivas foram femininas no país. Já entre 2014 e 2016 o número subiu para 98.

Uma das experiências mais rápidas é a chamada Bancada Ativista , que conseguiu reunir 315. 560 votos, tornando-se a maior votação de candidatura coletiva ou compartilhada já teve no Brasil, além da 10 ª candidatura com mais votos do estado de São Paulo no ano de 2018.

Sementes de Marielle

Outro exemplo de chapa que aposta na coletividade é a Nossa Cara, chapa composta por três mulheres negras da periferia de Fortaleza (CE). Seguindo o legado de Marielle Franco, elas pautam a conscientização política a partir de um viés afetivo e cotidiano, focado nas relações comunitárias.

“Nós somos três militantes, reconhecidas pelo nosso trabalho, que é fincado na periferia. Fazemos a construção política dessa dia a dia, assim como Marielle Franco. Então, acreditamos que é possível falar que mesmo com problemas, a periferia pode mostrar um novo tipo de sociabilidade e política, baseada no afeto, no respeito e no perdão ”afirma Adriana Gerônimo, um dos nomes da chapa.

Nosso dever é continuar abrindo caminhos como nossos ancestrais.

Em um contexto de crescente militarização do estado do Ceará , e da repressão policial nas periferias, os riscos de mulheres periféricas se colocarem na disputa do poder, torna-se mais evidente. Ainda assim, as candidatas acreditam na importância de sua candidatura para a atualidade e para a história.

“A mulher entrando nesse espaço político ela quebra com uma lógica que é quebrar a estrutura política, que é uma estrutura de manter as mesmas pessoas com os mesmos privilégios. Nós sabemos que enquanto mulheres negras, estar candidata, ter a cara no santinho, nos deixa ainda mais vulneráveis, porque já não temos segurança para viver essa cidade. Mas acreditamos que o nosso dever é continuar abrindo caminhos como nossos ancestrais ”, relata Gerônimo.

Leia também: Eleições 2020: candidaturas levantam bandeira da agroecologia nas urnas e fora delas

Reação ao cristo-fascismo

No centro das periferias também se encontra a discussão sobre a fé e política. Buscando dar alternativa a narrativa bolsonarista, que ganhou 46% do voto dos cristãos periféricos , um grupo de Porto Alegre ( RS), também decidiu disputar coletivamente conforme necessário.

Composto por quatro integrantes cristãos, eles afirmam que a decisão veio da necessidade de combater o cristo-fascismo crescente no país.

“O Brasil sempre foi esse país política onde e religião e não se discute. E qual foi o resultado disso? Foi o Bolsonaro … porque muita gente acreditou que ele estava dialogando com as pessoas de fé. Então, a gente entende que é uma necessidade disputar esses espaços públicos para não permitir que sejam ocupados por grupos fundamentalistas.

Edição: Rodrigo Chagas



- Publicidade -

Veja Também

Últimas Notícias

Andrés Sanchez estará no Arena SBT da próxima segunda-feira

sábado, 31 de outubro de 2020 Andrés Sanchez estará no Arena SBT da próxima segunda-feira No programa Arena SBT da próxima segunda-feira, 02 de novembro, às 11h45 da noite, Benjamin Back e os comentaristas Emerson Sheik, Cicinho, Mauricio Borges,...
- Publicidade -

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Réveillon Rio 2021 será pago integralmente pela iniciativa privada

SRCOM foi a única empresa a apresentar proposta, com projeto que cumpre todos os requisitos exigidos pela Riotur, para a virada carioca

Alunos e professores de escolas públicas do Rio poderão ganhar ingressos para eventos

Projeto de lei prevê a doação por parte das empresas que recebem incentivos fiscais

Megaoperação no Complexo da Maré dura mais de 10 horas; mulher grávida é baleada

Moradores do Complexo de favelas da Maré amanheceram nesta terça-feira, 27, com uma megaoperação policial em suas portas. A operação começou por volta das 5h...

Rio de Janeiro inicia censo da população em situação de rua

Com o censo, a Prefeitura espera sensibilizar Justiça, Mninistério Público e Defensoria Pública para, juntos com o Município, desenvolver ações para reinserir essas pessoas no mercado de trabalho.

Shopping Jardim Guadalupe inaugura nova sede do Blindando Vidas

Projeto oferece aulas gratuitas de artes marciais para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade desde 2017
- Publicidade -