21 C
Rio de Janeiro
sábado, outubro 31, 2020
- Publicidade -

Combate à fome é reconhecido por Nobel enquanto Brasil retrocede e vê problema voltar

- Publicidade -
- Publicidade -
- Advertisement -

O prêmio Nobel da Paz de 2020 foi concedido para o Programa Mundial de Alimentação (PMA) da ONU (Organização das Nações Unidas) pelo combate à fome no mundo. A informação foi divulgada na manhã desta sexta-feira (9).

Em 2010, o PMA entregou ao Brasil o prêmio de “Campeão Mundial na Luta contra a Fome”, como um reconhecimento pelo papel que o país desempenhava na luta contra a fome tanto internamente quanto no cenário internacional.

Embora com êxito na erradicação da fome no país, que deixou o Mapa da Fome da ONU em 2014, essas políticas têm sido abandonadas no governo de Jair Bolsonaro (sem partido) com redução orçamentária e o desmonte explícito das estruturas de segurança alimentar e nutricional .

Conforme dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO / ONU), uma insegurança alimentar no Brasil atingiu 43, 1 milhão em 2019.

Já a insegurança alimentar grave, condição na qual as pessoas relatam passar fome, chegou a 10, 3 milhões de pessoas no país nesse período , segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Diante da crise econômica, a fome deixou de ser uma ameaça e, cada vez mais, se torna uma realidade nas periferias do país.

“O Programa Mundial de Alimentos recebe o prêmio Nobel da Paz por ser uma política multilateral que contribui para a população não fique vulnerável a essa situação de fome, enquanto temos organismos no Brasil, país ligado ao sistema ONU, não cuida dessa perspectiva para a população ”, ressalta Alexandre Pires, coordenador do Centro Sabiá e da Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA).

Ele alerta que a desconstrução do Sistema Nacional de Sistema Alimentar e Nutricional, ea falta de investimentos prioritários em programas como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), agravam a situação da população mais vulnerável do país neste momento.

:: ONU: a insegurança alimentar no Brasil cresce em 3 anos e atinge 43, 1 milhão em 2019 ::

“O corte de orçamentos e a desconstrução do sistema de participação social são elementos muito concretos para o caminho do Brasil de volta ao Mapa da Fome. A resposta ao governo brasileiro à pandemia tem sido respostas tímidas, tardias e ineficientes ”, crítica.

Para Pires, o fato do Programa Mundial de Alimentos da ONU recebeu o prêmio Nobel reforça que a alimentação deve ser vista como um direito humano e, conforme ele destaca, não como uma mercadoria, a exemplo do agronegócio brasileiro.

Cenário preocupante

O programa ganhador do Nobel já prestou assistência a cerca de 100 milhões de pessoas em 83 países que são vítimas da insegurança alimentar e da fome aguda.

O comitê sueco responsável pelo prêmio elogiou a intensificação das ações em meio à pandemia da covid – 43, que causou o aumento exponencial da população em extrema pobreza.

De acordo com a FAO, cerca de 8,9% da população mundial, o equivalente a 690 milhões de pessoas, foi atingida pela fome em 2019. Os países da América Latina e Caribe são os mais afetados.

“Dos 690 milhões de pessoas em insegurança alimentar e nutricional no mundo hoje, 48 milhões estão situados na América Latina e Caribe. Apesar de comparar a África e Ásia, ter a menor quantidade de pessoas nessa situação, é preocupante porque esse número vem aumentado ano a ano. Não podemos permitir que a fome volte a imperar no nosso continente ”, defende Daniel Balaban, diretor do Centro de Excelência Contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA, na sigla inglês) no Brasil

Resolvido o problema da fome, estaremos mais próximos de atingir uma paz

Somente na América Latina e Caribe, segundo relatório da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) e da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO),

, 4 milhões de pessoas devem ser atingidas pela extrema pobreza ainda este ano.

Balaban afirma que o prêmio foi uma surpresa e que a condecoração joga luz e um problema que afeta a humanidade como um todo.

“Temos obrigação de, ainda nesta geração, resolver – que é acabar com a fome no planeta. Também é um reconhecimento da importância do multilateralismo e da cooperação internacional para resolvermos problemas complexos. Sem união entre os países não haverá solução sustentável para esses homens ”, ressalta Balaban.

acrescenta Eleenta ainda que há uma correlação comprovada entre fome e conflitos. “Resolvido o problema da fome, estaremos mais próximos de atingir a paz”.

Edição: Leandro Melito


- Publicidade -

Veja Também

Últimas Notícias

Andrés Sanchez estará no Arena SBT da próxima segunda-feira

sábado, 31 de outubro de 2020 Andrés Sanchez estará no Arena SBT da próxima segunda-feira No programa Arena SBT da próxima segunda-feira, 02 de novembro, às 11h45 da noite, Benjamin Back e os comentaristas Emerson Sheik, Cicinho, Mauricio Borges,...
- Publicidade -

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Réveillon Rio 2021 será pago integralmente pela iniciativa privada

SRCOM foi a única empresa a apresentar proposta, com projeto que cumpre todos os requisitos exigidos pela Riotur, para a virada carioca

Alunos e professores de escolas públicas do Rio poderão ganhar ingressos para eventos

Projeto de lei prevê a doação por parte das empresas que recebem incentivos fiscais

Megaoperação no Complexo da Maré dura mais de 10 horas; mulher grávida é baleada

Moradores do Complexo de favelas da Maré amanheceram nesta terça-feira, 27, com uma megaoperação policial em suas portas. A operação começou por volta das 5h...

Rio de Janeiro inicia censo da população em situação de rua

Com o censo, a Prefeitura espera sensibilizar Justiça, Mninistério Público e Defensoria Pública para, juntos com o Município, desenvolver ações para reinserir essas pessoas no mercado de trabalho.

Shopping Jardim Guadalupe inaugura nova sede do Blindando Vidas

Projeto oferece aulas gratuitas de artes marciais para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade desde 2017
- Publicidade -