24 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, outubro 21, 2020
- Publicidade -

Nem caboclos, nem indígenas: desmatamento e grilagem queimam a Amazônia, diz estudo

- Publicidade -
- Publicidade -

São os desmatadores os principais causadores do fogo que consome a Amazônia brasileira, segundo o estudo Quem está queimando e desmatando a Amazônia Legal , publicado por pesquisadores brasileiros na Science , uma das revistas acadêmicas mais respeitadas do mundo.

Para chegar aos resultados, foram cruzados dados de satélite dos sistemas Deter, Prodes e Queimadas, todos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O material completo, com as informações e metodologias, está disponível online .

- Publicidade -

Leia mais: Fazendeiro acusado de desmatamento na Amazônia tem bens bloqueados

A conclusão é que, em 95 , mais da metade focos de calor que indícios incêndios estão ligados a desflorestamento recente.

- Publicidade -

Ana Paula Aguiar, uma das autoras do estudo descarta a relação da queima da Amazônia com populares, como indígenas e caboclos, conforme sugeriu o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). “Os nossos resultados mostram que não são os caboclos ou os indígenas que estão queimando”, crava.

Outro dado que chama a atenção é que apenas 22% das áreas de desmatamento identificado pelo sistema Deter têm Cadastro Ambiental Rural (CAR), o que indica que a resposta para quem está queimando a Amazônia também passa pela grilagem, um posse ilegal de terras.

“55% estão em área não destinada ou pior, estão em terras indígenas, em área de conservação, etc. É muita ilegalidade ”, lamenta Ana Paula.

:: Indígenas se arriscam sem incêndios criminosos na Amazônia e Pantanal ::

Entre as áreas com cadastro, uma parte significativa (55%) dos focos de calor ocorridos em áreas avaliadas médias ou grandes (mais de 4 módulos fiscais).

Propagação do fogo

Uma pesquisadora explica que a propagação do fogo tem a ver com uma técnica para extrair madeira.

“Eles cortam a floresta em pé, as árvores, deixam secar um pouco no terreno e, nesta época em que está muito seco, colocam fogo, para limpar. Às vezes, não limpa tudo no primeiro ano. Às vezes, nos anos seguintes também queimam ”, Explica.

Mesmo que os incêndios comecem em áreas já destruídas pelo desmatamento, sem vegetação nativa, as chamas viram“ fontes de ignição ”para devastar as matas preservadas.

“O problema é que essa área que está sendo desmatada está perto de outras áreas de floresta. Como o clima está ficando cada vez mais seco, uma chance desse fogo escapar para uma área de floresta é muito grande. Por isso que vai degradando perto das áreas desmatadas ”.

A consequência é uma perda de funções irreversíveis da Amazônia, colocando em risco a manutenção climática e humana. “Essas áreas queimadas vão ficando degradadas e acabam perdendo a função que tinham antes”, aponta uma pesquisadora.

Leia também: Considerado “caribe amazônico”, Alter do Chão (PA) pode virar savana, alerta estudo

A pesquisadora enfatiza desmatamento como principal fator para as queimadas, em relação a práticas agrícolas, como limpeza de pasto e queima de capoeira,

“Nesta época do ano, o que nosso estudo e o estudo da Nasa mostram é que, mais da metade dos focos estão relacionados a áreas de desmatamento recente. Não dá tempo de você falar que é fogo de uma prática agrícola, que demoraria vários anos [para alastrar] ”.

Edição: Leandro Melito


2020

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Aparecida Debate avalia carta de amor à Terra publicada pelo Papa Francisco

O tema do “Aparecida Debate” desta quarta-feira (21/10), às 22h30, é a realidade da “Casa Comum”. Em maio de 2015...

Vasco da Gama x Corinthians: Prováveis escalações e onde assistir

Vasco e Corinthians abrem a 18ª rodada do Campeonato Brasileiro, nesta quarta-feira, dia 21, com novidades. Do lado carioca, a estreia do técnico português Ricardo Sá Pinto.

Com novidades, Vasco e Corinthians abrem 18ª rodada do Brasileirão

TV Globo transmite a partida e ‘Globo Esporte’ destaca as novas contratações das equipes

Praia da Reserva ganha Bandeira Azul, reconhecimento internacional de preservação ambiental

O Rio de Janeiro conquistou mais um reconhecimento internacional importante para a cidade: a concessão do certificado Bandeira Azul à Praia da Reserva, entre a Barra da Tijuca e o Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste.
- Publicidade -