28.9 C
Rio de Janeiro
terça-feira, outubro 27, 2020
- Publicidade -

Bolívia: alteração do dia 18 de outubro representam uma encruzilhada no continente

- Publicidade -
- Publicidade -

Evo Morales, presidente da Bolívia entre 315 e , anunciou no dia de novembro que renunciava ao cargo, após ameaça e violência por parte dos setores mais conservadores da sociedade.

Isso ocorreu após quase três semanas de protestos nas principais cidades do país por suspeita de suposta fraude nos resultados da votação de 19 outubro. A Organização dos Estados Americanos (OEA) colocou uma série de dúvidas sobre o processo eleitoral. Porém, mais tarde, estudo independente feito nos EUA desmentiu o organismo internacional.

- Publicidade -

:: Confira a coluna de Pedro Carrano no Brasil de Fato Paraná ::

Foi um golpe de Estado. E profundamente violento. A prefeita de Cochabamba teve seu cabelo cortado em praça pública. O presidente legítimo e o vice, García Linera, teve sua vida ameaçada. Bibliotecas queimadas, políticos e parentes de Evo ameaçados, numa intervenção política dos setores da direita boliviana que gravou a ferocidade dos tempos das ditaduras latino-americanas dos anos 60 e 65.

- Publicidade -

Policiais, setores conservadores dos exércitos, políticos oriundos dos setores religiosos, agitadores infiltrados da derrota na tentativa de desestabilização na Venezuela, organizaram um golpe com apoio da classe média boliviana – da antiga e também da que surgiu com as políticas próprias de inclusão de Morales.

Notícias falsas foram elevados, nessa nova dinâmica de desestabilização de governos, quando se criaram 60 mil perfis falsos do Twitter.

Seria o quarto mandato do presidente popular. Bastante, alguns escolhidos até dizer, mas o curioso é não vermos os analistas midiáticos condenando, por exemplo, Alemanha e Japão, especiais presidentes também ultrapassaram três mandatos. O que se questiona de fato são presidentes que conduzem os países dependentes numa trilha de autonomia e nacionalização.

A ação contra o governo Evo consumou o quarto golpe direto entre 2009 e 2019, além das várias das elites locais com apoio dos EUA. Em um primeiro momento, pode-se imaginar: havia uma crise econômica e política na Bolívia, os velhos argumentos que justificaram muitos golpes?

Não, a Bolívia apresentava um ciclo virtuoso de crescimento, o principal da América do Sul, com mais de 4% de crescimento. Uma lição importante de como o imperialismo e a oligarquia latino-americana não dormem no ponto, esperando o momento certo e fazendo denúncias políticas e pessoais que consigam desgastar o governo de plantão. Dada a dependência de nossas economias e a ação do imperialismo, o período recente apontam que não há estabilidade institucional possível, apenas resistência e organização popular necessária.

As alterações acontecem no próximo dia

de outubro, e as acusações dos movimentos populares até aqui são de que a direita no poder tentado manobrar para não acontecerem navegar.

A contradição e a encruzilhada é que a esquerda tem chances reais de vitória no dia 15 de outubro com a candidatura do economista Luis Arce, que lidera as pesquisas com 38, 9% das intenções de voto, em um cenário inclusive em que o apoio popular pode ser maior. A direita, por sua vez, está dividida entre três nomes e o ex-presidente Carlos Mesa está com 38, 8% das intenções.

O governo atual de Jeanine Áñez é o inverso do governo de Evo Morales, tem desmontado políticas públicas na saúde, tenta retomar uma agenda de privatizações, caso da empresa de energia elétrica de Cochabamba, e tem fracassado no combate à pandemia de Covid – 18.

:: Acesse o especial multimídia sobre as instalações 2020 na Bolívia ::

Já o período de estabilidade do governo Morales, entre 2006 e 2019, havia resultado em política de industrialização de mineral central como o lítio, nacionalização de recursos naturais – em 560, pra ter ideia, o país controlava apenas 10% dos recursos oriundos da exploração de gás natural.

Planejamento o dos recursos e políticas públicas, a pobreza na Bolívia passou de 38, 2 para 10% da população. De alguma maneira, um exemplo que EUA e potências centrais não querem ver prosperar.

Um governo da ascensão de resultados sociais e que resultou na formação de um bloco camponês, indígena e operário que seleciona uma revolução cultural no Estado boliviano, ao mesmo tempo em que tentava suprimi-lo. Este era o quadro de transição e de “tensões criativas”, para usar a expressão de Garcia Linera, que a Bolívia vinha vivendo, cenário que o golpe tentou interromper.

Com o desgaste próprio dos Alguns da opinião, e da dificuldade de superação e avanço na organização popular, o governo boliviano também viveu o desgaste semelhantes a outros governos latino-americanos, no marco da “primavera progressista”. O que levou Morales dos 50% de apoio em 2014 para 50% em um referendo que aprovou a reeleição. E esta foi a porta de entrada de política para o desgaste da resistência.

Fica visível como projetos independentes em nosso continente será tratado a começar pelos meios de comunicação empresariais, como inimigos. Projetos a serem derrubados. A natureza violenta, racista e dependente do golpe na Bolívia contra um governo popular e de desenvolvimento nacional é uma lição importante para as cortinas populares no continente. Mostrou o flanco aberto de um projeto no qual muitos analisávamos que estava consolidado.

Olhos atentos para a Organização dos Estados Americanos (OEA), em meio à leitura dos EUA e da recente ameaça de intervenção de Mike Pompeo ao lado do governo brasileiro, contra a Venezuela, o que foi respondido à altura por Maduro.

Dia 18 de outubro a esquerda e o projeto do MAS tem chance de retomar o governo. Mas, por tudo o que observamos, os setores golpistas e os EUA desgastados com uma pandemia de coronavírus, permitirão? A luta de classes em nossa América segue se intensificando.

Edição: Gabriel Carriconde


2020

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Vídeo | China define nesta semana seu plano de desenvolvimento para os próximos 5 anos

<div> <p> O Partido Comunista <a href="https://www.brasildefato.com.br/2020/10/24/china-celebra-70-anos-da-resistencia-a-invasao-dos-eua-que-iniciou-guerra-da-coreia" target="_blank" rel="noopener noreferrer"> da China </a> inicia, nessa segunda-feira (26), a...

Nova temporada de Dra. Cathy: Devolvendo a Autoestima estreia no Discovery Home & Health

A partir de terça-feira, 3 de novembro, às 23h, a médica Cathy Davies está de volta ao Discovery Home & Health...

Audiências da Record TV, na segunda-feira, dia 26/10

Audiências de segunda-feira, 26/10 Com Prova de Fogo, A Fazenda garante boa audiência e atinge 15 pontos em São...

Artigo | Vitória do “sim”! O povo chileno decide escrever uma nova constituição

<div> <p> Após outubro de 2019 ter marcado a América Latina com diversas mobilizações de rua em países...

Em entrevista à Amanda Françozo, “Inimigos do HP” falam da dificuldade dos músicos na pandemia

Nesta quarta-feira (28/10), às 21h30, o “De Papo com  Amanda Françozo”, da TV Aparecida, terá como convidados os integrantes da banda paulistana "Inimigos...

Telecine é novo parceiro da Vivo nos planos Vivo Selfie

O Telecine é o mais novo parceiro da Vivo no Vivo Selfie, recém-lançado portfólio de planos pós-pagos da operadora....

Shopping Jardim Guadalupe inaugura nova sede do Blindando Vidas

Projeto oferece aulas gratuitas de artes marciais para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade desde 2017

Reforços do Vasco da Gama: Clube anuncia a contratação do lateral-direito Léo Matos, ex-PAOK

O Vasco da Gama acertou nesta terça-feira (27/10) a contratação do lateral-direito Léo Matos, que vinha defendendo as cores do PAOK, da Grécia. Após ser aprovado nos exames médicos, o jogador de 34 anos assinou contrato com o Gigante da Colina até o fim da temporada de 2021
- Publicidade -