26.5 C
Rio de Janeiro
quinta-feira, outubro 22, 2020
- Publicidade -

Terras sem demarcação expõem indígenas à covid: “Todo mundo pode entrar”

- Publicidade -
- Publicidade -

No Brasil, entre os povos indígenas, já são quase 30 mil infectados, 800 mortos e 156 povos diretamente afetados pela covid-19, segundo dados da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). Em Pernambuco, foram contabilizados pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi) 294 casos, 12 mortes, 43 infectados ativos e 239 recuperados da doença.

Entre eles, 52% dos casos são do povo Fulni-ô, sendo seguido pelos Xukuru (20%), Tronco Pankararu (16%), Truká (5%) e 5% e outros povos (5%). Atualmente, os únicos povos que não registraram casos da doença são os Tuxi, Kapinawá e Pankaiwká. 

- Publicidade -

Para a cacica Dorinha, do povo Pankará, que reside nas Serras da Cacária e do Arapuá, no município de Carnaubeira da Penha, no sertão do São Francisco, a falta de demarcação dos territórios agrava os efeitos da pandemia entre a população indígena. 

“Referente ao meu povo Pankará, o território não é demarcado. É como se estivessem as portas abertas e todo mundo pode entrar no território e sair na hora que quer. Não somos frágeis de organização ou de autonomia, mas somos frágeis de estar mais expostos ao contato com outras pessoas e não ter o domínio para defendermos o nosso território dessa contaminação”, afirma Dorinha.

- Publicidade -

:: Comunidades isoladas do Pará recebem atendimento via telemedicina ::

A população Pankará em Pernambuco registrou uma morte por covid-19 entre as suas lideranças. Além da vulnerabilidade ao contágio pela doença, a cacica afirma que as comunidades sofrem com a falta de políticas públicas específicas para impedir o avanço da doença. 

“Existe uma falta de políticas públicas por parte do governo federal em torno dos territórios  com mantimentos e [apoio] financeiro, tem indígenas que vivem de arrendamento e estão passando por necessidades” , conta.

De acordo com o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a saúde da população indígena em todo o país vem sendo ameaçada também pela ausência de políticas públicas específicas.

“A não-demarcação faz com que se fragilizem os direitos e dificulte a chegada de políticas públicas em todos os sentidos, tanto na criação de escolas para a educação especial indígena, quanto para ter água tratada e os sinais e as estradas reformadas para acesso à comunidade”, afirma Daniel Maranhão Ribeiro, assessor jurídico do Cimi Nordeste, que atua nos estados de Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí e parte da Bahia.

:: Indígenas alegam que Funai negou apoio à aldeia que foi ameaçada com ação de despejo ::

Procedimento administrativo que tem a função de declarar a posse permanente dos povos originários, a demarcação tem sido a principal luta das populações indígenas ao longo da história.

“Não é uma mera terra, um bem econômico, como a nossa sociedade e o mercado vêem, mas é o ponto de partida para a preservação da cultura, das tradições, da relação com a natureza, a possibilidade de se ter os terreiros sagrados, de se criar as gerações, todos os vínculos seculares, com as árvores sagradas”, afirma Ribeiro.

O povo Pankararu Opará, cujo território no município de Jatobá ainda não demarcado, não registrou nenhum caso de contágio pelo novo coronavírus, mas a cacica Valdenuzia Tavares relata que a população têm sido alvo constante de ameaças.

“A gente está passando por muitas coisas entre os não-índios que ficam nos ameaçando. Sempre teve isso, né? Só que aumentou mais agora porque agora nós estamos mais em casa”, diz.

:: Justiça determina distribuição de cestas básicas a indígenas no Pará ::

Devido à ausência de plano emergencial específico, a APIB junto a seis partidos políticos (PSB, REDE, PSOL, PT, PDT e PC do B) ajuizou uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, a ADPF 709, no Supremo Tribunal Federal (STF).  A ação que também vem sendo acompanhada pela assessoria jurídica da Cimi visa a criação de um plano de contingenciamento que atenda em específico os povos indígenas. 

Devido a isso, as organizações cumprem um papel de pleitear ao Estado que sejam tomadas medidas para garantir a saúde dos povos originários. “A gente vem cobrando os órgãos a questão da proteção social, da questão alimentícia, a questão sanitária, da vulnerabilidade econômica que se acentua. Tem povos que sobrevivem da venda de alimentos e não estão podendo escoar suas produções, tem povos que vivem da venda de artesanatos e também não estão podendo nem obter a matéria prima, bem como se deslocar para fazer a venda”, afirmou Daniel,

 O Cimi Regional Nordeste vem realizando ações emergenciais contra a covid-19 no combate à fome, chegando a mais de 22 mil indígenas com a entrega de aproximadamente 500 cestas básicas, além de materiais de higiene e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Vanessa Gonzaga e Leandro Melito


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Excluídos da audiência de conciliação, atingidos ocupam a sede da Vale em Brumadinho

Na tarde desta quinta-feira (21, acontece uma audiência sobre os danos causado...

Dossiê ID: O Mundo Exótico do Rei dos Tigres

A história de Joe Exotic e do G.W. Zoo deixou o mundo estarrecido com a disputa por poder e...

Destacando recordes históricos, Turner começa campanha ao Caboré

Em um ano difícil para diversos segmentos da economia, a Turner prova que se reinventou como empresa de mídia,...

Com Daniel Radcliffe, “Fuga de Pretória” estreia amanhã (23) na TNT

A TNT apresenta nesta sexta, dia 23 de outubro, às 22h30, o filme Fuga de Pretória, o mais novo longa com...

Notícias Impressionantes mostra se vídeo de fuga policial que bombou na internet é verdade ou falso neste domingo

O Notícias Impressionantes do próximo domingo, 25 de outubro, exibe o quadro "Deu a Louca no Mundo", que explora o Brasil, gigante pelas suas...

“Bar Aberto” novo reality da Band comandado por Marina Person e Márcio Silva vai procurar o melhor bartender amador do Brasil

Apresentado por Marina Person e o premiado bartender Márcio Silva, o reality acompanhará durante dois meses 10 participantes apaixonados por bons drinks.

D.A Gastronomia oferece menu especial para Halloween

A marca apresenta um kit completo cheio de criativas gostosuras temáticas, que prometem fazer desta data, uma reunião memorável.

Rússia concede direitos de residência permanente a Edward Snowden

A Rússia concedeu direitos de residência permanente ao norte-americano Edward Snowden, informou seu advogado nesta quinta-feira, um passo para...

A 13ª edição do Festival da Canção Aliança Francesa 2020 chega à semifinal de forma virtual

Os onze candidatos selecionados no Rio de Janeiro se apresentam em evento ao vivo, dia 28 de outubro, às 19h, transmitido diretamente do auditório da Aliança Francesa Tijuca, adaptado às medidas de segurança sanitária.
- Publicidade -