21 C
Rio de Janeiro
terça-feira, outubro 20, 2020
- Publicidade -

Centrais sindicais lançam campanha pela manutenção do auxílio de R$ 600

- Publicidade -
- Publicidade -

Nesta quinta-feira (17), as centrais sindicais lançaram, de forma virtual, a campanha #600peloBrasil. A mobilização nacional pede que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), coloque em votação a Medida Provisória (MP) 1000, publicada pelo governo federal no último dia 3 de setembro.

A MP prorroga o auxílio emergencial até dezembro, mas reduz o valor de R$ 600 para R$ 300. Os sindicatos, porém, pedem que o valor atual seja mantido, sob o risco de levar a população mais vulnerável a uma situação de miséria ainda maior.

- Publicidade -

O governo Bolsonaro, inicialmente contra a implantação do benefício, chegou a cogitar um “voucher” no valor de R$ 200 para a população. No entanto, a pressão dos movimentos sindicais junto aos movimentos populares garantiu a aprovação dos R$ 600.

Leia mais: Você sabia que Bolsonaro foi contra o auxílio emergencial? Entenda mais

Para o presidente Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sergio Nobre, reduzir o valor do auxílio  prejudicaria cerca de 54 milhões de pessoas. 

- Publicidade -

“A manutenção dos R$600 até dezembro é fundamental para que a gente mantenha a atividade econômica. Foi o auxílio que movimentou o que a gente teve de produção no nosso país, a medida em que o povo compra e a indústria produz. Ou seja, manteve girando a roda da economia. Então, é muito importante manter os R$ 600. Nós não podemos trabalhar com a lógica Paulo Guedes, financista, porque não foi isso que o mundo fez. Se olharmos para o povo que estão enfrentando bem a crise, todos eles investiram 35% do PIB para proteger o povo”.

Nobre pontua ainda que a crise econômica e social só não é mais grave pela injeção do valor disponibilizado para o auxílio emergencial. “Boa parte do dinheiro investido foi usado para compra de comida e alimentos”, resume.

Segundo levantamento do Datafolha divulgado em agosto deste ano, 53% dos entrevistados – que receberam o auxílio emergencial –, o usavam para comprar comida; 25% para pagar contas; e 16% para despesas domésticas.

“Hoje está claro para todo mundo a importância do auxílio e é um crime propor essa redução para R$ 300 com a inflação. R$ 300 não dá conta de comprar uma cesta básica. Assim, a manutenção dos R$ 600 é fundamental”, reforça o presidente da CUT.

Para Miguel Torres, presidente da Forç”a Sindical, é indiscutível a necessidade do auxílio para conter a recessão econômica a que estamos sendo submetidos.”Se não fosse o auxílio emergencial estaríamos em uma crise muito maior. E nós sabemos que com os R$ 300 que o governo está propondo vai aumentar também a crise e ainda em um momento em que a inflação começa a nos gêneros de primeira necessidade principalmente. De forma que a inflação é muito maior para os trabalhadores, para os mais pobres do que para os ricos”.

“O corte [no auxílio emergencial] não garante a aquisição de uma cesta básica em Aracaju, por exemplo, que está em R$ 398. Lembrando que o Bolsonaro liberou um crédito de R$ 320 bilhão para os bancos.””, acrescenta Adilson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB)

O movimento trabalha na coleta de assinaturas para um abaixo assinado pela manutenção dos R$ 600 e também irá pressionar o Congresso pela votação da MP 1000.

“Se tem uma coisa que pandemia deixou clara é a necessidade de um programa de renda básica. Primeiro vamos pressionar pela manutenção dos R$ 600, depois, queremos discutir um programa de renda básica permanente no Brasil”, disse Sérgio Nobre (CUT).

Participam do ato a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Intersindical – Central da Classe Trabalhadora (CSP-Conlutas), Intersindical – Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora e Pública Central do Servidor.

Edição: Rodrigo Chagas


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Vasco da Gama: Ricardo Sá Pinto comanda primeiro treino em São Januário

Outra novidade no treinamento cruzmaltino em São Januário foi a presença do meio-campista Leonardo Gil.

Covid cai para níveis de maio no Brasil, mas OMS alerta mundo para “segunda onda”

As informações consolidadas da semana que se encerrou no último dia 17,...

Brasileirão Sub-17: Goiás fará jogos no CT Edmo Pinheiro, em Goiânia

Partidas contra o Flamengo, o Internacional e o Cruzeiro tiveram seus locais definidos. A Diretoria de Competições da...

Pela Copa do Brasil Sub-20, Flamengo x Goiás será no Elcyrzão

Partida válida pela segunda fase da competição teve seu local definido. A Diretoria de Competições da CBF informou,...
- Publicidade -