21.3 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, outubro 30, 2020
- Publicidade -

Advogado diz que lei dos EUA usada para acusar Assange é “ampla” e duvidosa

- Publicidade -
- Publicidade -
- Advertisement -

O advogado Carey Shenkman, especialista em direito constitucional americano e na defesa dos Direitos Humanos , afirmou nesta quinta-feira (17) que a lei usada pelos Estados Unidos para acusar de espionagem o fundador do Wikileaks, Julian Assange, é “extraordinariamente ampla” e “contenciosa [duvidosa]”.

Shenkman prestou depoimento por escrito como testemunha de Assange, durante o julgamento sobre a extradição do jornalista australiano, em Londres. As audiências devem seguir até o começo de outubro.

Assange é acusado pelo governo estadunidense por 17 crimes de espionagem e um por uso indevido de computador. A defesa do ativista alega que, por ser jornalista, ele tem direito às proteções da Primeira Emenda por publicar documentos que expuseram irregularidades militares dos EUA no Iraque e no Afeganistão.

Shenkman também ressaltou que a gestão do presidente Donald Trump perseguiu “a divulgação de informações de segurança nacional de forma mais agressiva do que qualquer presidência na história dos EUA”. Ele relembrou que, durante os dois mandatos de Barack Obama, houve oito processos contra fontes da mídia de com base na Lei de Espionagem. Na presidência de Trump, já são as mesmas oito, em menos de quatro anos.

::Denunciante da Guerra do Vietnã diz que EUA agem por vingança contra Assange::

Ao advogado afirmou que nunca houve um processo bem-sucedido contra um editor sob a lei, embora tenha havido tentativas, inclusive sobre o vazamento de documentos sobre a Guerra do Vietnã pelos “Documentos do Pentágono”, em 1971 – Daniel Ellsberg enfrentou 12 acusações da Lei de Espionagem e poderia pegar até 115 anos de prisão, mas as acusações foram rejeitadas em 1973, por causa de má conduta do governo contra ele.

Outra testemunha de defesa, John Sloboda, co-fundador da organização Iraq Body Count, disse que o WikiLeaks teve o cuidado de garantir que os nomes fossem removidos antes da publicação, o que não colocaria em risco a vida dessas pessoas. Ele discordou da sugestão de um advogado de acusação de que Assange teria uma “atitude arrogante” em relação à redação.

::Leia mais: Advogado de Assange expõe parcialidade do Departamento de Justiça estadunidense::

Sloboda, que esteve envolvido na publicação dos documentos da guerra do Iraque em 2010, disse que eles “foram redigidos em excesso por cautela”. Ele disse que seu grupo desenvolveu um software para ajudar a acelerar o processo, removendo todas as palavras que não estavam em um dicionário de inglês, embora ele reconhecesse que não era perfeito.

Edição: Rodrigo Durão Coelho


- Publicidade -

Veja Também

Últimas Notícias

- Publicidade -

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Réveillon Rio 2021 será pago integralmente pela iniciativa privada

SRCOM foi a única empresa a apresentar proposta, com projeto que cumpre todos os requisitos exigidos pela Riotur, para a virada carioca

Alunos e professores de escolas públicas do Rio poderão ganhar ingressos para eventos

Projeto de lei prevê a doação por parte das empresas que recebem incentivos fiscais

Megaoperação no Complexo da Maré dura mais de 10 horas; mulher grávida é baleada

Moradores do Complexo de favelas da Maré amanheceram nesta terça-feira, 27, com uma megaoperação policial em suas portas. A operação começou por volta das 5h...

Rio de Janeiro inicia censo da população em situação de rua

Com o censo, a Prefeitura espera sensibilizar Justiça, Mninistério Público e Defensoria Pública para, juntos com o Município, desenvolver ações para reinserir essas pessoas no mercado de trabalho.

Shopping Jardim Guadalupe inaugura nova sede do Blindando Vidas

Projeto oferece aulas gratuitas de artes marciais para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade desde 2017
- Publicidade -