24.1 C
Rio de Janeiro
sábado, setembro 19, 2020
- Publicidade -

Plasma sanguíneo contra covid tem resultados “alentadores” na Venezuela, diz médico

- Publicidade -
- Publicidade -

A Venezuela é uma das pioneiras na região no estudo e uso de plasma sanguíneo de pacientes recuperados da covid-19 para tratar pessoas ainda infectadas com a doença. Com 62.655 contaminados, 502 falecidos, o país mantem uma taxa de recuperação de 80% dos casos, com mais de 50 mil pacientes que tiveram alta médica, segundo dados oficiais.

“A eficácia dos estudos e observações até o momento são alentadores e levam à aplicação logo no início do tratamento em casos moderados e graves para ter maior efetividade. Os registros e estudos são necessários e, com protocolo, faremos as contribuições possíveis”, explicou o médico Gregório Sánchez Salamé em entrevista ao Brasil de Fato. 

Especialista em medicina tropical e doenças infecciosas, Salamé preside o Instituto Quimbiotec, responsável pelas pesquisas que levaram a Venezuela a adotar o plasma sanguíneo como uma das alternativas para tratar cidadãos infectados com o novo coronavírus.

>

Ele aponta que o sucesso no controle da pandemia e na atenção aos doentes venezuelanos foi possível por meio da cooperação internacional com países como China, Rússia, Irã e Turquia.

- Publicidade -

O envio constante de ajuda humanitária por parte dessas nações possibilitou a aplicação de testes rápidos de maneira massiva, chegando a um total de 1.864.663 milhão, uma média de 62 mil provas a cada milhão de habitantes. Além disso, a cooperação científica com os chineses e os cubanos possibilitou o desenvolvimento de novas respostas imunológicas. 

“Logicamente na China foi onde começou a ser documentado o uso de plasma de convalescente para tratar a covid-19 e eles comentaram sua experiência durante a visita que realizaram à Venezuela, pouco depois que foram registrados os primeiros casos”, conta o presidente do Instituto Quimbiotec.

Diante dos resultados, o Estado venezuelano procurou o governo brasileiro para oferecer cooperação no combate à pandemia. No entanto, o chamado nunca foi respondido pelo Itamaraty.

Confira a entrevista completa:

Brasil de Fato: Primeiro, queria que você comentasse como funciona o tratamento com plasma sanguíneo: como se identifica que foram gerados anticorpos contra a covid-19? Quantos litros são coletados? Há efeitos colaterais?

Gregório Sánchez:  A captação de doadores de plasma convalescente é um processo que se fundamenta na decisão autônoma e voluntária do paciente recuperado de covid-19. Pode começar a partir do momento que o paciente ainda está doente, no hospital, na clínica ou no Centro de Diagnóstico Integral [postos de saúde] e, ao momento do seu regresso, ele é motivados pelo pessoal médico para que atenda ao chamado de doação.

Uma vez recuperado, uma semana depois da alta médica, o paciente pode se comunicar conosco pelo 0800 plasma ou por nosso e-mail.Aí começa uma série de contatos, primeiro telefônico e em seguida presencial para que os profissionais de saúde para definir se o voluntário reúne os critérios necessários para a doação de plasma. São eles: paciente que teve a doença confirmada com prova PCR, já tenham passado 10 dias da sua alta médica, homens entre 18 e 60 anos ou mulheres que não engravidaram e pessoas sem outras doenças que impeçam a doação.

O tratamento com plasma convalescente é complementar, coadjuvante, soma-se ao esquema terapêutico que deve ser decidido pela equipe médica em cada caso clínico particular.

A doação de sangue está prevista no nosso marco constitucional como um ato voluntário e gratuito, como expressão de valores. Esses valores devem ser promovidos como a base da sociedade que somos e queremos ser

Reunindo todos esses critérios passaríamos às consultas para realizar todos os exames necessários para verificar a presença de anticorpos contra o vírus Sars-Cov2 através de provas de diagnóstico rápido para determinar a presença da imunoglobulina G, vemos qual o tipo de sangue e realizamos todos os exames para detectar outras doenças transmissíveis pelo sangue.

Se o resultado é satisfatório, fazemos a coleta de cerca de 800 mm de plasma, um procedimento que não é doloroso, não debilita e dura cerca de uma hora. É feito nos bancos de sangue, hospitais e centro qualificados.

O protocolo que elaboramos estabelece a transfusão de um volume aproximado de 300 mm em uma única aplicação em pacientes com estados moderados ou graves de doença, pacientes que são avaliados por especialistas que decidem sobre a transfusão. O tratamento com plasma convalescente é complementar, coadjuvante, soma-se ao esquema terapêutico que deve ser decidido pela equipe médica em cada caso clínico particular.

E qual a efetividade do tratamento? Já existe alguma comprovação?

Há evidências na literatura sobre a segurança do plasma convalescente nas diferentes doenças em que foi utilizado. No caso particular da covid-19 existem estudos nos Estados Unidos, Itália e China que conferem segurança. A eficácia dos estudos e observações até o momento são alentadores e levam à aplicação logo no início do tratamento em casos moderados e graves para ter maior efetividade. Os registros e estudos são necessários e, com protocolo, faremos as contribuições possíveis.

Como tem sido a resposta à campanha nacional de doação de plasma?

A doação de sangue está prevista no nosso marco constitucional como um ato voluntário e gratuito, como expressão de valores. Esses valores devem ser promovidos como a base da sociedade que somos e queremos ser. É um processo social que devemos seguir construindo. Temos que fortalecer mais e mais a cultura de doação voluntária e gratuita de sangue e de plasma para este momento difícil e para qualquer outro.

O sangue e seus derivados são medicamentos muito necessários ao sistema de saúde. Essa pouca cultura de doação ainda prevalece na Venezuela e se soma ao fato de que as pessoas não querem ser identificadas como casos de covid-19 por temor ao rechaço. Este estigma devemos compreender e modificá-lo.

São pessoas recuperadas, vitoriosas que podem dar um exemplo de solidariedade e altruísmo, que não deveriam sentir vergonha, pelo contrário, deveriam orgulhar-se, pois são vitoriosos e generosos com seus semelhantes ao doar.

À medida que aumentam a incidência de casos, há mais doadores potenciais motivados e motiváveis por campanhas públicas. É um processo lento e progressivo que estamos acompanhando e aperfeiçoando com uma afluência escassa, mas crescente.

Para isso também precisamos preparar mais bancos de sangue no país. Até agora a experiência se desenvolve apenas nas cidades de Caracas e Maracaibo.

Estamos vivendo essa conjuntura [de pandemia] como venezuelanos do ano 2020, isso requer união e solidariedade. A doação voluntária de plasma é uma expressão disso.




Vice-presidenta Delcy Rodríguez recebe ajuda humanitária da China no aeroporto internacional Simón Bolívar; FMI negou apoio / VTV

Os estudos de tratamento para covid-19 com plasma sanguíneo começaram na China. Chegaram à Venezuela através do laboratório Quimbiotec ou já haviam sido estudados antes?

Logicamente na China foi onde começou a ser documentado o uso de plasma de convalescente para tratar a covid-19 e eles comentaram sua experiência durante a visita que realizaram à Venezuela, pouco depois que foram registrados os primeiros casos.

Tomamos as ideias iniciais para criar um protocolo venezuelano a partir dos chineses e das experiências que foram registradas em outros países. Foram as duas instituições: o Banco Municipal de Sangue do Distrito Capital e Quimbiotec que tiveram a iniciativa.

Quimbiotec é um complexo tecnológico e farmacêutico do Estado venezuelano, dedicado há mais de 30 anos à produção de medicamentos derivados do sangue e de fármacos recombinantes. Já o Banco Municipal de Sangue também é uma instituição de referência.

Consequentes com a história, as equipes das suas instituições se reuniram com acompanhamento do Comitê Terapêutico do Ministério de Saúde e do Conselho Presidencial de Ciência.

Quais as vantagens desse tratamento alternativo? Quantas pessoas estudam este tratamento? Existem outras alternativas sendo investigadas?

O uso de plasma de convalescente está bem documentado na história para doenças infecciosas novas, emergentes. Mais de um século de experiências registradas em doenças como influenza, febres hemorrágicas, ebola e outras enfermidades produzidas por coronavírus como a MERS e a SARS.

Também são estudos que fazem parte das linhas prioritárias do Ministério de Saúde e de Ciência e Tecnologia, numa resolução conjunta para promover e orientar a investigação e inovação necessárias para lutar contra a pandemia na Venezuela.

São mais de 12 profissionais e, à medida que o protocolo se executa, somam-se mais profissionais. É um trabalho coletivo.

O protocolo recebeu apoio do Conselho Presidencial de Ciência, do Ministério de Ciência e Tecnologia que abriu portas e se vinculou em outros projetos como o estudo da resposta imune humoral e celular, desenvolvendo provas de sorologia e alternativas para o diagnóstico, inovações na terapia baseada no uso da gamaglobulina hiper imune a partir do plasma humano ou produzidas por equinos, para mencionar algumas.

Víctor Alarcón es bioanalista, egresado de la UCV.

Este especialista en Virología y Micología Médica lidera el equipo que hace el diagnóstico de COVID-19, en la frontera con Colombia.

Tiene 20 años de experiencia en investigación en virología, biología molecular y bioseguridad. pic.twitter.com/RuNoBDfSkC

— Ministerio para Ciencia y Tecnología (@Mincyt_VE) April 19, 2020

Os recursos para desenvolver essas pesquisas vem do Estado venezuelano ou existe outro investidor?

A Constituição da República Bolivariana da Venezuela consagra a saúde como um direito social e, portanto, responsabilidade do Estado. A luta contra a pandemia faz parte desses princípios e das políticas de proteção social integral, com medidas econômicas e sociais, que incluem a resposta sanitária.

O diagnóstico e os medicamentos do esquema terapêutico são oferecidos, incluído o uso do plasma, são previstos de maneira gratuita e universal ao sistema de saúde, nos seus estabelecimentos públicos e também nos privados.

Como explicar que a Venezuela, um país bloqueado economicamente, posa oferecer medicamentos gratuitos aos infectados e que ainda estuda tratamentos alternativos para tratar a infecção gerada pelo novo coronavírus?

Somos um país sob assédio, bloqueados econômica, comercial e financeiramente por medidas coercitivas promovidas pelo governo estadunidense e seus aliados em Europa.

Estamos no centro da geopolítica. Não estamos sós na luta pela independência plena, soberania e um mundo multipolar.

Com o apoio valente e solidário de países como Cuba, China, Rússia, Irã, Turquia e com a determinação do governo legítimo, que democraticamente elegemos nós venezuelanos e venezuelanas, vamos adiante, apesar dessa circunstância que particularmente estamos vivendo de pandemia e sob assédio imperialista.

Edição: Leandro Melito


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

>

Últimas Notícias

Prefeitura faz 550 inspeções na retomada das fiscalizações do programa Ponta a Ponta da Vigilância Sanitária

Em uma semana de inspeções do órgão, vinculado à Secretaria Municipal de Saúde (SMS), foram feitas 550 vistorias e aplicadas 179 infrações por várias irregularidades, entre elas, falta de insumos de higiene e ausência de licença sanitária.

Horóscopo de domingo 20 de setembro de 2020

Confira a previsão do horóscopo para o dia 20 de setembro de 2020 e fique por dentro de tudo o que o seu signo lhe reserva para o amor, dinheiro e saúde.

Governo do Rio de Janeiro abre cadastro para renda emergencial da Lei Aldir Blanc

Profissionais da cultura poderão fazer pedido do auxílio em nova plataforma digital, a partir de segunda (21/09)

Rio de Janeiro: medidas restritivas são prorrogadas até o dia 6 de outubro

O governador em exercício Cláudio Castro prorrogou, até o dia 6 de outubro, algumas medidas restritivas de prevenção e enfrentamento à propagação da Covid-19 no estado

Taxa de Incêndio 2020 do Corpo de Bombeiros vence em outubro

As novas datas para pagamento estão compreendidas entre os dias 05 e 09 de outubro.

Vídeo: Tiroteio entre Terceiro Comando Puro (TCP) e o Comando Vermelho paralisa Avenida Brasil

Motoristas que passavam pela Avenida Brasil, na altura de Parada de Lucas, na tarde deste sábado, q9, entraram em pânico por conta de um intenso tiroteio

Coronavírus: Rio de Janeiro chega a 17.634 óbitos e 251.261 casos confirmados

Há ainda 403 óbitos em investigação e 354 foram descartados. Entre os casos confirmados, 228.258 pacientes se recuperaram da doença

Confira o número de leitos para Covid-19 e taxa de ocupação na rede SUS no Rio de Janeiro

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, informou que a rede municipal está realizando atualmente a maioria absoluta dos atendimentos de Covid-19, visto que hospitais do estado e da iniciativa privada fecharam leitos dedicados ao tratamento da doença.
- Publicidade -