25 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, outubro 19, 2020
- Publicidade -

Movimentos brasileiros lançam declaração pela paz e contra a guerra na Venezuela

- Publicidade -
- Publicidade -

O Comitê Brasileiro pela Paz na Venezuela realizará, na tarde desta sexta-feira (11), o ato de lançamento da Declaração pela paz e contra a guerra na Venezuela, redigida pelo conjunto de organizações que compõem a articulação.

O evento online será transmitido através da página do Facebook do comitê e contará com a presença de diversas lideranças de movimentos populares e partidos políticos. Entre eles, Gleisi Hoffmann, presidenta do Partido dos Trabalhadores (PT), João Pedro Stedile, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o ex-chanceler brasileiro Celso Amorim e Nalu Faria, da Marcha Mundial das Mulheres (MMM).

- Publicidade -

O vice-ministro de Relações Exteriores da Venezuela para assuntos da América do Norte, Carlos Ron Martínez, também participará do evento virtual.

:: Vice-ministro comenta ataques dos Estados Unidos à Venezuela ::

- Publicidade -

A declaração pela paz e contra a guerra na Venezuela tem como objetivo questionar as ações do governo brasileiro contra o país vizinho, como parte de sua política externa alinhada aos Estados Unidos.

Os movimentos e partidos de esquerda brasileiros que compõem o comitê denunciam a inconstitucionalidade das ações beligerantes do governo de Jair Bolsonaro contra a República Bolivariana da Venezuela. Eles defendem que as ações do Ministério de Relações Exteriores, comandando por Ernesto Araújo, violam a Constituição brasileira, especialmente no que se refere aos princípios elencados no artigo 4º da Carta Magna, que orientam as Relações Internacionais brasileiras.

O ato virtual também busca ampliar a campanha de solidariedade com o povo venezuelano, vítima de uma série de sanções impostas por Donald Trump, agravada no atual contexto da pandemia de covid-19. A declaração assinada por 14 organizações brasileiras está disponível e pode ser assinada no portal Change.org.

:: Números mostram como a Venezuela acertou no combate à covid e o Brasil errou ::

Em um debate realizado em agosto com o chanceler Jorge Arreaza, o ex-ministro de Relações Exteriores Celso Amorim e o também ex-ministro da pasta e atual senador Aloysio Nunes (PSDB) criticaram a falta de diplomacia do Brasil com a Venezuela.

A iniciativa surgiu depois que o ministro Ernesto Araújo negou-se a responder uma carta da chancelaria venezuelana, enviada no dia 7 de agosto, que pedia por cooperação para conter os contágios pelo novo coronavírus.

O governo bolivariano propunha compartilhar “capacidades científicas, testes de diagnóstico, tratamentos, proteção diplomática”, no entanto, não obteve retorno do Palácio do Itamaraty.

:: Aloysio Nunes afirma que Brasil precisa melhorar relação com a Venezuela ::

Na ocasião, o chanceler venezuelano lamentou a falta de diálogo entre os governos e lembrou que a Venezuela manteve relações diplomáticas com o Brasil durante gestões como as de Fernando Henrique Cardoso (FHC), Lula (PT), Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB), apesar das rusgas políticas deste último com o governo bolivariano.  

Leia, na íntegra, a Declaração pela paz e contra a guerra na Venezuela:

Nós, brasileiros e brasileiras, cientes das leis de nosso país e do passado histórico que constituem as Relações Internacionais de nosso continente, manifestamos a mais alta preocupação com as ações do governo brasileiro no que diz respeito à escalada de violência contra o povo venezuelano. É flagrante e notória a submissão da atual política externa brasileira aos interesses dos Estados Unidos, endossando uma agenda de intervenção e desestabilização regional. Desde que assumiu a presidência da República, Jair Bolsonaro converte o Brasil em mero funcionário do mais agressivo unilateralismo que o mundo já viu.

São fartas as declarações e ações do governo de Donald Trump que ameaçam e estrangulam as possibilidades de paz na Venezuela. Só entre 2017 e 2018, mais de 40 mil venezuelanos morreram em função das sanções unilaterais promovidas pelos Estados Unidos. Além dos criminosos bloqueios, há uma extensa lista intervencionista dos Estados Unidos a que o governo Bolsonaro se submete: expulsão do corpo diplomático, difusão de mentiras, respaldo a grupos paramilitares que invadem a Venezuela e as reiteradas ameaças de invasão militar, elevando seriamente os riscos da eclosão de uma guerra em nosso território.

É muito grave a situação e urgente deve ser nossa reação contra esta política intervencionista de guerra e ódio, que destrói a imagem do Brasil e agrava ainda mais a crise venezuelana. Por isso indagamos: quem se beneficia e quem perde com esta política de guerra? Basta de violência, queremos paz e cooperação entre os povos.

Nosso apelo está diretamente fundamentado na Constituição brasileira, que carrega princípios fundamentais (artigos 1º, 2º, 3º e 4º) que são sistematicamente violados pelo governo de Jair Bolsonaro. Esta Declaração vai ao encontro e faz coro ao artigo publicado em 8 de maio de 2020, assinado por Fernando Henrique Cardoso, Celso Amorim, Aloysio Nunes Ferreira, Celso Lafer, Francisco Rezek, José Serra, Rubens Ricupero e Hussein Kalout, intitulado “a reconstrução da política externa brasileira”.

Dito isso, nos comprometemos à:

1. Denunciar em todos os espaços possíveis a escalada de agressão do governo Bolsonaro contra o povo venezuelano;

2. Denunciar os perigos da tragédia que se abaterá aos povos, inclusive aos brasileiros, com a eclosão de uma guerra convencional em nossas fronteiras, o que demandará dos brasileiros o envio de tropas e recursos materiais. Quem pagará pelo sangue dos brasileiros que serão convocados à guerra?

3. Denunciar a sistemática submissão do governo Bolsonaro à agenda militarista, intervencionista e autoritária dos Estados Unidos no trato com a República Bolivariana da Venezuela;

4.Denunciar a sistemática violação da Constituição brasileira promovida pelo governo Bolsonaro, especialmente no que tange os princípios elencados no artigo 4º da Carta Magna, que orientam as Relações Internacionais brasileiras;

5. Articular e promover ações que construam pontes de diálogo entre as mais diversas forças políticas e sociais brasileiras, criando uma grande rede em defesa da paz e contra a guerra na Venezuela;

Conscientes de que a construção da paz e do respeito à soberania e a autodeterminação dos povos é fruto de muito trabalho humano, que demanda braços, mãos e muita energia, convocamos toda a sociedade brasileira a levantar a sua voz pela paz na Venezuela, aderindo a este Manifesto e exigindo das autoridades brasileiras o devido respeito à nossa Constituição para que sejam bloqueadas quaisquer iniciativas beligerantes por parte do Brasil no trato com o governo da República Bolivariana da Venezuela.

Assine aqui ou envie adesões para [email protected], informando nome completo de sua organização ou de personalidades políticas, diplomáticas, artísticas ou jurídicas que subscrevem esta Declaração. Assine pela paz e contra a guerra na Venezuela!

Edição: Luiza Mançano


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Vasco da Gama: Ricardo Sá Pinto comanda primeiro treino em São Januário

Outra novidade no treinamento cruzmaltino em São Januário foi a presença do meio-campista Leonardo Gil.

HBO divulga trailer da segunda temporada de ‘His Dark Materials’ que estreia em novembro

A HBO apresenta o trailer da segunda temporada de HIS DARK MATERIALS, que estreia no dia 6 de novembro na HBO e na HBO GO e acompanha a...

TV Cultura leva ao ar o especial Poesia na Quarentena

Sem palcos e plateia, a produção artística teve que se reinventar na pandemia. O especial Poesia na Quarentena vem para relatar o...

“Papo de Segunda” recebe virtualmente a atleta Carol Solberg e o ator Raphael Logam

Fábio Porchat e seus companheiros Emicida, João Vicente e Chico Bosco recebem a atleta Carol Solberg e o ator...

Viola Davis é a estrela do evento Cidadão Global 2020

Nas duas primeiras edições, em 2017 e 2019, o premiado evento Cidadão Global, idealizado por Santander Brasil e Valor Econômico, iniciou uma série...

Polícia Civil prende acusado de estupro na Universidade Federal Rural

As investigações iniciaram após o registro da ocorrência. A equipe da 48ª DP realizou diligências para identificar e encontrar o suspeito.

O TEMPO E A TEMPERATURA: Sul do país tem previsão de chuvas fracas

Nesta terça-feira (20), apesar do avanço de uma frente fria, não há previsão de grandes volumes de chuva na...

O TEMPO E A TEMPERATURA: Centro-Oeste terá tempo instável em grande parte da região, nesta terça (20)

Nesta terça-feira (20), a previsão do tempo para o Centro-Oeste do país é de tempo instável em grande parte...

Alerj vota veto a projeto sobre venda de armas a agentes da Segurança Pública

A inclusão na pauta foi uma resposta do presidente, André Ceciliano (PT), ao pedido feito pelo deputado Bruno Dauaire (PSC) na sessão plenária da última terça-feira (13). Este será o único veto a ser analisado pelos parlamentares na semana.

Morre no Rio, aos 104 anos, o policial mais antigo da Polícia Militar

Morreu em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, neste domingo (18), aos 104 anos, o tenente-coronel João Freire Jucá Sobrinho, da Polícia Militar do antigo estado da Guanabara, quando o Rio ainda era capital da República. Ele era o policial mais antigo da instituição.

Quadras das escolas de samba do Rio de Janeiro podem voltar a funcionar esta semana.

Após conseguir a liberação das rodas de samba junto à Prefeitura, o vereador Felipe Michel, ex-secretário de Eventos, intercedeu pelas escolas de samba, que estarão liberadas para funcionar já esta semana. O decreto deve ser publicado no Diário Oficial desta terça-feira, 20.
- Publicidade -