24 C
Rio de Janeiro
sábado, outubro 24, 2020
- Publicidade -

Mais de 300 rodoviários são demitidos em Niterói (RJ)

- Publicidade -
- Publicidade -

Na última segunda-feira (31), 332 trabalhadores rodoviários perderam seus empregos no município de Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro. As demissões atingiram três das principais empresas de ônibus da cidade: Ingá, Brasília e Expresso Barreto. 

De acordo com o Sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac), a situação tende a piorar até dezembro, afetando outros municípios. Segundo revelado por representantes das companhias do Leste Fluminense, em audiência no Ministério Público do Trabalho (MPT), há duas semanas, o corte de funcionários deve atingir 30 a 40% do quadro até o final do ano. Na prática, significa que 5,4 mil a 7,2 mil rodoviários ficarão desempregados.

- Publicidade -

Leia também: Portaria que garantia estabilidade ao trabalhador que contraísse covid é revogada

Além de perder o emprego, os profissionais estão com problemas para receber a verba rescisória. Segundo o Sintronac, as empresas que iniciaram o processo de demissões na segunda-feira querem pagar em 20 vezes as verbas rescisórias, mas, no caso da Brasília e da Expresso Barreto, o sindicato conseguiu reduzir para 15 parcelas. O caso foi encaminhado para mediação do Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Soluções de Disputas da Capital (Cejusc-CAP) do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ).

- Publicidade -

O sindicato espera reduzir as parcelas pagas aos demitidos por meio de uma ação no TRT. De acordo com a entidade, incidirá sobre as empresas uma multa prevista na Medida Provisória 936 do Governo Federal, que instituiu o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda e criou o Benefício Emergencial (BEm). As companhias que aderiram ao programa estão submetidas a um compromisso de manter a estabilidade no emprego dos trabalhadores, caso contrário terão que pagar a eles até 70% do valor do Seguro-Desemprego, percentual calculado de acordo com o total da redução do salário de cada profissional.

Leia mais:  RJ: Qual a saída para a economia em meio à pandemia e regime de recuperação fiscal?

O presidente do Sintronac, Rubens dos Santos Oliveira, afirmou que as demissões acendem um alerta para a possibilidade de colapso do sistema de transporte público afetando outros trabalhadores que dependem do modal para se deslocar pela cidade.

“É lamentável que, depois de tantos avisos, de tantos apelos, vemos a categoria entrar em um processo de demissões em massa. Mas isso não atinge somente os rodoviários, pois cada empresa que fecha ou retira linhas de circulação, prejudica também outras categorias profissionais, que dependem do transporte público de passageiros. A participação do poder concedente do transporte público, ou seja, Estado e municípios, nesse processo de negociação é fundamental, mas até agora todos se fazem de surdos. É preciso que fique claro que o sistema vai entrar em colapso e a população precisa saber disso”, destacou. 

Na próxima quinta-feira (3) está marcada uma audiência virtual de conciliação no MPT a respeito da redução salarial dos rodoviários. 

O Brasil de Fato contatou o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj) para um posicionamento a respeito das demissões e do pagamento das verbas rescisórias. A equipe não obteve retorno até o fechamento desta reportagem. 

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Jaqueline Deister


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Não aceitaremos a naturalização do ensino remoto, diz candidata da chapa 1 dos Andes

A eleição da nova diretoria do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino...

Candidata da chapa 2 do Andes quer sindicato “menos isolado” para enfrentar desmonte

A eleição da nova diretoria do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino...

TVT | Cresce tensão na Síria após bombardeio turco e disputa entre grupos armados

A Síria enfrenta tensões após bombardeios do exército turco na...

Luiz Lima promete levar mais segurança, iluminação e limpeza para a região da Pavuna

O candidato do PSL à Prefeitura do Rio, deputado federal Luiz Lima, quer a Pavuna com uma nova cara. Após fazer caminhada pelo bairro da Zona Norte, que faz divisa com o município de São João de Meriti, na Baixada, ele enumerou alguns dos principais problemas da região e apresentou propostas para melhorar a vida dos moradores. 
- Publicidade -