22.6 C
Rio de Janeiro
sábado, outubro 24, 2020
- Publicidade -

CPI recomenda indiciamento de prefeito de Porto Alegre

- Publicidade -
- Publicidade -

Agravando ainda mais a situação de Nelson Marchezan Jr. (PSDB), a CPI que investigou a administração municipal aprovou, hoje (31), o relatório final propondo seu indiciamento. Para o relator, vereador Wambert di Lorenzi (PTB), o prefeito de Porto Alegre cometeu seis crimes ou irregularidades: tráfico de influência, corrupção passiva, advocacia administrativa, improbidade administrativa, dispensa de licitação e conflito de interesses. O relatório recebeu oito votos favoráveis, dois contrários e houve uma abstenção.

A decisão não se confunde com o processo de impeachment em andamento. Resulta de denúncias apresentadas em 2019 e que embasaram, em outubro, a abertura da CPI, que somente agora concluiu seu relatório final.

- Publicidade -

Os vereadores igualmente aconselharam o indiciamento do secretário municipal de Relações Institucionais, Christian Wyse de Lemos, e do empresário Michel Costa, que é ex-diretor da Companhia de Processamento de Dados do Município de Porto Alegre (Procempa) e presidente do Conselho de Administração da Companhia Carris Porto-Alegrense (Carris), a empresa municipal de transporte urbano.

“Interesses obscuros”

- Publicidade -

Marchezan Jr, segundo o relatório da CPI, teria cometido várias irregularidades ao contratar a empresa Comunitas, encarregada de implantar o Banco de Talentos. Através de “critérios técnicos”, o banco serviria para qualificar a contratação de cargos em comissão (CCs) afinados com a proposta de gestão do prefeito. Para o relator, a novidade serviu para “interesses obscuros”, passando por cima do rito da licitação e mascarando contratações políticas.

O relatório chama o Banco de Talentos de “fraude técnica, administrativa e política”. Costa teria favorecido ilegalmente empresas de transporte público. E aponta ainda como anomalia a locação, pela prefeitura, de um prédio para abrigar uma de suas secretarias.

Os vereadores acusam Marchezan de, em 2017, ter ido à França com viagem bancada pela Capester, a empresa de tecnologia vinculada então a Costa. Pesa ainda sobre o prefeito a visão da CPI, segundo a qual houve “conluio” com Costa para beneficiar a empresa Safeconecta na implantação de testagem de equipamentos de monitoramento de veículos por GPS.

Com dados da Câmara Municipal de Porto Alegre

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Luiz Lima promete levar mais segurança, iluminação e limpeza para a região da Pavuna

O candidato do PSL à Prefeitura do Rio, deputado federal Luiz Lima, quer a Pavuna com uma nova cara. Após fazer caminhada pelo bairro da Zona Norte, que faz divisa com o município de São João de Meriti, na Baixada, ele enumerou alguns dos principais problemas da região e apresentou propostas para melhorar a vida dos moradores. 
- Publicidade -