25.6 C
Rio de Janeiro
quinta-feira, outubro 29, 2020
- Publicidade -

Mulheres atingidas por barragens lançam livro sobre saúde em parceria com a Fiocruz

- Publicidade -
- Publicidade -
- Advertisement -

O debate sobre a violação dos direitos das mulheres atingidas por barragens ganhou um novo capítulo, neste mês, com o lançamento do livro “Educação Popular, Direitos e Participação Social: Bordando a Saúde das Mulheres Atingidas por Barragens”. A publicação, disponível online, é fruto de uma parceria entre a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

O livro reúne  reflexões que surgiram a partir de um espaço de formação, ao longo do ano de 2019, em que foram debatidos os temas da saúde, dos direitos sociais, da luta contra a construção de barragens, da construção dos espaços de ciranda infantil e da produção das arpilleras – bordados que se tornaram populares no Chile como instrumentos de luta e de denúncia.

Leia mais: Trajetória de mulheres atingidas por barragens é tema de filme

Entre as metodologias utilizadas nas reflexões, o diagnóstico rápido participativo foi peça chave para as agentes de saúde da Fiocruz e para as atingidas por barragens das comunidades do Vale do Guapiaçu, no interior do Rio de Janeiro, levantarem as principais problemáticas de saúde na região. 

Na publicação, o resultado do trabalho é dividido em seis capítulos: “A importância do direito à saúde”, “As mulheres atingidas por barragens e a violação do direito à saúde”, “O projeto educação popular, direitos e participação social: bordando a saúde das mulheres atingidas por barragens”, “As arpilleras: tecendo a vida das mulheres”, “As crianças como sujeitos políticos” e “A saúde levantando pauta de reivindicação e luta das mulheres”.

Parte do conteúdo desenvolvido durante o espaço de formação e apresentado no livro, também foi sistematizado em arpilleras a partir de um processo intenso de produção embasado em temas relacionados à saúde. Em cinco comunidades, as mulheres fizeram arpilleras abordando os temas dos direitos à saúde pública, à previdência, ao saneamento, à água e à educação. Ao final, sete arpilleras foram expostas na cidade de Cachoeiras de Macacu e na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro, no ano passado.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse


- Publicidade -

Veja Também

Últimas Notícias

Filmes na Record TV de 31/10 a 01 de novembro de 2020

Cine AventuraSábado, dia 31/10 – 15h“O Tigre e o Dragão”  HD com audiodescriçãoTítulo Original: Crouching Tiger, Hidden DragonElenco: Yun-Fat Chow, Michelle Yeoh, Ziyi Zhang, Chen Chang, Pei-Pei Chang, Sihung Lung, Li Li, Fazeng...
- Publicidade -

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Réveillon Rio 2021 será pago integralmente pela iniciativa privada

SRCOM foi a única empresa a apresentar proposta, com projeto que cumpre todos os requisitos exigidos pela Riotur, para a virada carioca

Alunos e professores de escolas públicas do Rio poderão ganhar ingressos para eventos

Projeto de lei prevê a doação por parte das empresas que recebem incentivos fiscais

Megaoperação no Complexo da Maré dura mais de 10 horas; mulher grávida é baleada

Moradores do Complexo de favelas da Maré amanheceram nesta terça-feira, 27, com uma megaoperação policial em suas portas. A operação começou por volta das 5h...

Rio de Janeiro inicia censo da população em situação de rua

Com o censo, a Prefeitura espera sensibilizar Justiça, Mninistério Público e Defensoria Pública para, juntos com o Município, desenvolver ações para reinserir essas pessoas no mercado de trabalho.

Shopping Jardim Guadalupe inaugura nova sede do Blindando Vidas

Projeto oferece aulas gratuitas de artes marciais para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade desde 2017
- Publicidade -