24.4 C
Rio de Janeiro
terça-feira, setembro 29, 2020
- Publicidade -

Sob protestos, Alcolumbre mantém PL das fake news na pauta desta quinta

- Publicidade -
- Publicidade -

O Projeto de Lei (PL) 2630/2020, conhecido popularmente como “PL das Fake News”, deve ser votado nesta quinta-feira (25), no Senado, sob intensos protestos. Parlamentares e organizações civis reclamam a necessidade de mais debates sobre o tema antes que o texto seja colocado sob a avaliação do plenário. Apesar disso, o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), manteve a proposta na pauta de votações do dia.

A medida trata do combate à disseminação de conteúdos falsos na internet. De autoria do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), o PL é relatado pelo vice-líder do PSD na Casa Ângelo Coronel (BA), que entregou a última versão do parecer na quarta (24).

A coordenadora-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), Renata Mielli, afirma que o tema envolve uma série de delicadezas e por isso precisaria de mais tempo de discussão e debates multilaterais. Com o atual esquema de realização de sessões remotas, o Congresso Nacional tem encaminhado as propostas direto para o plenário após acordo entre as bancadas. O trâmite enxuto faz com que as medidas não sejam avaliadas pelas comissões, que atualmente estão sem atividade e constituem os principais espaços de participação popular das casas legislativas.   

“Dialogamos muito com os senadores Alessandro Vieira, Ângelo Coronel, outros senadores e assessores, mas num diálogo bilateral, que é muito precário. Um projeto como esse, que trata de um tema tão sensível, deveria ter um rito de tramitação que envolvesse um amplo debate da sociedade”, avalia Mielli.

- Publicidade -

Para a coordenadora-geral, a discussão deveria ser retomada somente quando o Legislativo recuperar os mecanismos de participação popular. “Ou seja, a partir do momento em que o Congresso estiver trabalhando de forma regular, quando as comissões tiverem o seu trabalho restituído, com audiências públicas funcionando, ainda que remotas. Do jeito como está agora, entendemos que não é uma forma democrática de se discutir um projeto de lei como esse”, argumenta Mielli.

As organizações civis críticas ao projeto apontam que, ao mirar a disseminação de conteúdos falsos na rede, o conteúdo do PL impõe balizas que trazem riscos à privacidade, à liberdade de expressão e, consequente, ao sistema democrático. Um dos pontos considerados mais controversos diz respeito à vinculação da abertura de contas em redes sociais à apresentação de documento e número de celular ativo, permitindo a identificação em massa dos usuários.  

 “O projeto, a meu ver, traz dispositivos que inclusive são inconstitucionais, como o rastreamento de mensagens privadas, que coloca em xeque o sigilo das comunicações interpessoais, e uma série de outras questões que não estão sendo consideradas no Senado”, exemplifica a coordenadora-geral do FNDC.  

Parlamentares

Nos últimos dias, diferentes parlamentares também fizeram coro contra a votação. O líder do Podemos, Álvaro Dias (PR), por exemplo, apresentou um requerimento pedindo o adiamento da apreciação do texto pelo plenário.

“Um projeto tão polêmico como esse, que interfere na vida de mais de 170 milhões de brasileiros, não pode deixar de ser amplamente discutido na Comissão de Constituição e Justiça [CCJ]”, argumentou, ao fazer uma postagem pela internet. Ele também destacou que o PL trata de questões “sensíveis aos direitos individuais, como proteção da privacidade e da liberdade de expressão”, podendo acarretar “prejuízos irreparáveis”.

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) está entre os que se mobilizam contra o conteúdo e a votação do PL. “Temos que combater a indústria da falsa notícia sem intimidar o cidadão”, disse na quarta (24). Alguns parlamentares, entre eles o líder da oposição, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), sustentam que a proposta deveria ir à votação somente no período pós-pandemia.

Alcolumbre

Na contramão da resistência dos opositores, o presidente Davi Alcolumbre afirmou, nos últimos dias, que pretende fazer desta quinta-feira “um dia histórico”, em referência à possibilidade de aprovação da proposta. Constantemente atacados por adversários políticos e por grupos extremistas que pedem o fechamento do Congresso e disseminam conteúdos falsos nas redes, os defensores do PL estariam interessados em frear a máquina de propagação de fake news movidos pelo interesse pessoal e político que circunda a questão.

Nos bastidores, a leitura é de que a difusão desse tipo de conteúdo tende a atrapalhar ainda a corrida rumo às eleições municipais, ocasião em que os parlamentares tentam ampliar sua influência nos estados. No caso de Alcolumbre, em particular, o combate às fake news também estaria conectado ao interesse pela reeleição no próximo ano, quando o Senado deve escolher um novo presidente.

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Câmara aprova lei que cria Pólo Gastronômico e Cultural da Praça Seca

Segundo o texto, serão permitidas a instalação de barracas no entorno da praça, com o objetivo de incentivar o desenvolvimento cultural, e também a utilização do Coreto da Praça Seca, a fim de promover a arte e a cultura local.

Últimas Notícias

Impeachment de Wilson Witzel: Alerj elege deputados para tribunal misto

Os parlamentares se juntarão aos cinco desembargadores escolhidos pelo TJRJ por sorteio.

Eleições 2020: Luiz Lima quer novos eventos esportivos para impulsionar o turismo no Rio

Para o candidato do PSL à prefeitura da capital fluminense, fato da cidade ser olímpica pode ajudar na adoção de medidas públicas para o setor

Shoppings em São Gonçalo arrecadam brinquedos para o Dia das Crianças

Itens em bom estado de conservação serão doados para comunidades do município

Câmara aprova lei que cria Pólo Gastronômico e Cultural da Praça Seca

Segundo o texto, serão permitidas a instalação de barracas no entorno da praça, com o objetivo de incentivar o desenvolvimento cultural, e também a utilização do Coreto da Praça Seca, a fim de promover a arte e a cultura local.

Países se voltam para tributação das gigantes da tecnologia

Os especialistas André Félix Ricotta e Eduardo Natal analisam situação do Brasil e a complexidade do sistema tributário no país

Horóscopo do dia 30 de setembro de 2020

Previsão do horóscopo do dia 30 de setembro de 2020 e fique por dentro de tudo o que o seu signo lhe reserva para o amor, dinheiro e saúde.

Naiara Azevedo e Marilia Mendonça gravam juntas

Marília Mendonça, Simone e Simaria, Maiara e Maraisa e Joelma são algumas das cantoras confirmadas para o audiovisual JUNTAS, que destaca a força e a união das mulheres

Câmara aprova lei que cria Pólo Gastronômico e Cultural da Praça Seca

Segundo o texto, serão permitidas a instalação de barracas no entorno da praça, com o objetivo de incentivar o desenvolvimento cultural, e também a utilização do Coreto da Praça Seca, a fim de promover a arte e a cultura local.
- Publicidade -