23.5 C
Rio de Janeiro
domingo, setembro 20, 2020
- Publicidade -

Aprovação de outra hidrelétrica ameaça Velho Chico e sua população ribeirinha

- Publicidade -
- Publicidade -

A região mineira de de Pirapora e Buritizeiro foi pega de surpresa com o anúncio de que uma nova usina hidrelétrica será contruída no rio São Francisco. A decisão, publicada em maio no Diário Oficial da Uniâo, causou indignação por ter sido tomada sem consulta pública à população local. 
Esta teme que outra barragem contendo as águas do Rio São Francisco possa píorar a já grave falta de água na região. Além disso, o projeto não prevê que esta é uma área que necessita de preservação e proteção. 

Pirapora e Buritizeiro já ficam consideravelmente próximas à hidrelétrica de Três Marias, uma grande barragem, que represa parte das águas que vêm da cabeceira do Rio da Integração Nacional e de seus afluentes. Esta construção, por sua vez, influencia constantemente nos níveis de água.
“Velho Chico Vivo”

Como resposta, houve a criação de um movimento unificado, de olho nos efeitos que a obra possa ter na cultura, economia e meio ambiente. O movimento “Velho Chico Vivo” tem entre seus adeptos artistas, jornalistas, pescadores, professores, advogados, ribeirinhos, estudantes, pesquisadores, ativistas ambientais e movimentos organizados, como o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e a Comissão Pastoral da Terra (CPT).

>
>
>

Passar a boiada de Salles?

- Publicidade -

A iniciativa, coletiva e horizontal, tem se organizado em três principais frentes: produção de mídia e conteúdo, artística e técnico-jurídica. Sua proposta é fomentar diversas atuações político-institucionais a fim de lutar contra a construção da usina, que impactaria diretamente as comunidades tradicionais que vivem na região, como povos indígenas, comunidades ribeirinhas e pequenos produtores rurais.

A ação coletiva já conseguiu resultados, como a realização de Audiência Pública na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, onde foi discutido os impactos de empreendimentos como esses na vida da população. A audiência foi solicitada pela presidente da Comissão, a deputada estadual Leninha (PT – MG).

De acordo com a parlamentar, “a construção da Barragem de Formoso tem causado uma enorme apreensão em centenas de ribeirinhos e quilombolas. O povo foi surpreendido com o acordo que envolve a Construtora Quebec e o governo federal. 

Publicaram o decreto em meio a uma pandemia e não só qualificando o projeto como, também, recomendando aos órgãos estaduais apoio ao licenciamento ambiental”, afirma a parlamentar, que conclui: “Um absurdo! A Usina de Formoso é parte da ‘boiada’ que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, deseja passar enquanto à atenção da imprensa e da população está voltada para a Covid-19″, finaliza.

Extinção de peixes

Para o produtor musical e membro do Movimento Velho Chico Vivo  Pedro Melo (Surubim de Bigode), os riscos são imensos e de vários âmbitos. Ele destaca que os impactos não se estendem apenas aos cinco municípios mencionados pela empresa no cadastro do empreendimento, mas a toda a Bacia Hidrográfica, sobretudo no trecho entre as Hidrelétricas de Três Marias e Sobradinho (BA) e às cidades de Pirapora e Buritizeiro. 

“Muitos desses riscos, inclusive, já foram apontados pela empresa no Cadastro do empreendimento junto ao Ibama, ou seja, a empresa já sabe que haverá problemas”, relata Melo.

“É importante mencionar que a instalação da UHE – Formoso prejudicará todo o ecossistema da região. Pirapora, que já sofre com a ausência de peixes como o pocomã e o surubim, pode se preparar para não ver certas espécies nunca mais. Como muitos deles usam os rios e lagoas marginais para se reproduzirem, mais um barramento no rio impactaria seu ciclo reprodutivo, causando extinção.”

Melo lembra que a área onde a barragem será construída é de suma importância para o Cerrado norte mineiro, com suas veredas e mata virgem. “O professor Ivo das Chagas já dizia que o Cerrado é o Pai das Águas. Um empreendimento desses afetará os ciclos de vida do Cerrado, influenciando no regime de chuvas e cheias do rio, impactando, inclusive, lençóis freáticos”, detalha.

O pífio desenvolvimento da região

Tão logo houve a publicação do decreto no Diário Oficial da União, ecoou, despreocupadamente, pelas ondas sonoras do rádio, a informação de que o empreendimento traria desenvolvimento para a localidade. 

Mas a informação não levou em consideração os prejuízos ambientais, que para uma região que vive do turismo e da água do Rio São Francisco, o desenvolvimento irrisório.

O produtor Pedro Braga, chama atenção para o campo econômico. “Haverá empobrecimento de comunidades e famílias que dependem da pesca como sustento. Já é clara a escassez de peixes no rio devido à poluição existente, assoreamento e pesca irregular predatória. Esse empreendimento empurraria famílias para a pobreza.” 

“Há ainda comunidades de vazanteiros, uma cultura secular de cultivo nas beiras do rio, que vão sofrer muito com a mudança dos regimes de cheia e seca do São Francisco”, exemplifica.

“É importante falar que empreendimentos como esse trazem a promessa de desenvolvimento. Mas isso é uma mentira, pois esses empreendimentos, apesar de utilizarem mão de obra local, empregam pessoas somente durante a obra. Após a ‘possível instalação’, várias pessoas perderão seus empregos e voltarão para a pobreza”, alerta Braga, que ressalta que  “os projetos não são sustentáveis. E ainda mais: os salários mais caros são pagos à mão de obra que vem de fora, não será de Pirapora e Buritizeiro”.

Alerta para os impactos econômicos também faz o deputado federal Padre João (PT – MG), que não vê razões para esta construção. Ele pedirá explicações ao governo acerca do projeto e dos impactos ambientais ao rio e a população.

“Querem construir mais uma barragem no Velho Chico. A iniciativa não leva em conta a opinião do povo, pois não houve consulta pública. Não respeitam a cultura e a tradição local; os povos ribeirinhos e tradicionais que vivem ao longo das margens do São Francisco”, denuncia o parlamentar.
Padre João lembra também que, de acordo com o levantamento feito pela Cemig, a radiação média das regiões mineiras varia entre 5,5 e 6,5 kWh/m2 (Kilowatts/hora por metro quadrado), enquanto a radiação solar na Alemanha é de 3 kWh/m2.

“O mesmo estudo técnico aponta que Pirapora está entre as seis microrregiões de Minas com maiores potenciais de geração de energia solar e é neste tipo de investimento que temos que apostar nossas fichas”, defende o parlamentar, que  ainda questiona: “Barragem pra quê? Pra quem? O Brasil precisa parar de intervir na natureza e aproveitar tudo que ela tem para nos oferecer sem que ela seja agredida. Precisamos cuidar da Nossa Mãe Terra, Nossa Casa Comum”, finaliza.

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Vídeo: Tiroteio entre Terceiro Comando Puro (TCP) e o Comando Vermelho paralisa Avenida Brasil

Motoristas que passavam pela Avenida Brasil, na altura de Parada de Lucas, na tarde deste sábado, q9, entraram em pânico por conta de um intenso tiroteio

Coronavírus: Rio de Janeiro chega a 17.634 óbitos e 251.261 casos confirmados

Há ainda 403 óbitos em investigação e 354 foram descartados. Entre os casos confirmados, 228.258 pacientes se recuperaram da doença

Estado do Rio de Janeiro teve R$ 6,1 bilhões roubados em 20 anos de corrupção

Os esquemas de corrupção no Rio de Janeiro, conhecidos como propinodutos movimentaram, segundo denúncias, mais de R$ 6,1 bilhões desde 1999

É possível ganhar a vida com apostas esportivas?

Quem nunca sonhou em ganhar muito dinheiro todos os meses sem fazer muito esforço? Não é à toa que as apostas desportivas online estão a crescer rapidamente em todo mundo.

Resultados dos jogos de hoje do Brasileirão Assaí Série A 2020

Quatro partidas agitam o dia de futebol no Brasileirão:...

Série B: Figueirense sai do Z-4, CSA deixa a lanterna e Cuiabá se isola na liderança

Azulão bateu o Cruzeiro, Dourado levou a melhor diante...

Onze equipes triunfam na estreia da Série D do Brasileirão 2020

Série D do Campeonato Brasileiro teve rodada de abertura...
- Publicidade -