24.7 C
Rio de Janeiro
domingo, setembro 20, 2020
- Publicidade -

Cadáveres nas ruas do Equador expõem fracasso do governo em meio à pandemia

- Publicidade -
- Publicidade -

Fotos de cadáveres de vítimas fatais do coronavírus sendo carregados por familiares ou sendo queimados a céu aberto nas ruas de Guayaquil, a segunda maior cidade do Equador, localizada no estado de Guayas, foram compartilhadas em jornais de todo o mundo e nas redes sociais. 

Devido às altas temperaturas no local, acima de 30°C, e pela demora do serviço funerário local em retirar os cadáveres das casas, famílias têm abandonado os corpos em ruas e parques públicos da cidade por medo de contágio e pelo cheiro insuportável produzido pela exposição dos mortos.

O Equador conta, nesta quinta-feira (2), com 3.163 casos confirmados de covid-19, dentre os quais 71% estão concentrados no estado de Guayas, com 2.243 casos e 82 mortes, segundo dados do Comitê de Operações de Emergência Nacional (COEN).

>

:: Casos de coronavírus chegam a 1 milhão; conheça as medidas dos países mais afetados ::

- Publicidade -

No entanto, os números oficiais são confrontados com as informações da Polícia Nacional do país que, segundo o jornal local El Comercio, recolheu mais de 308 corpos em domicílios de pessoas que poderiam estar infectadas por coronavírus entre os dias 23 e 30 de março.

Também o prefeito de Guayaquil, Andrés Guschmer, comentou em sua conta no Twitter, em 30 de março, que “mais de 400 vítimas mortais foram retiradas de suas casas. (…) A maioria com suspeitas de covid-19”.

Após a colapso do sistema público sanitário no local, sem leitos suficientes para receber os infectados e sem necrotérios para receber os corpos dos mortos em decorrência da doença, foi criada uma força-tarefa para retirada de cadáveres na província.

:: Como as comunas combatem a covid-19 na Venezuela: “Momento em que os povos crescem” ::

Em uma coletiva de imprensa realizada nessa quarta-feira (1), Jorge Wated, que comanda a operação, afirmou que os especialistas calculam que, neste mês, o número de mortes por coronavírus em Guayas pode chegar a 3.500. 

Neoliberalismo

A crise sanitária no município de Guayaquil expõe e aprofunda uma série de problemas que o país atravessa nos últimos anos, sob o governo do presidente Lenín Moreno. Ausência de políticas públicas, alto índice de desigualdade e pobreza e irresponsabilidade das elites locais também estão entre os antecedentes que culminaram na grave situação humanitária que a cidade enfrenta hoje.

Desde outubro de 2019, o Equador atravessa uma crise política desatada por uma série de ajustes econômicos e redução do orçamento para 2020, anunciados pelo governo como parte das exigências do Fundo Monetário Internacional (FMI), que emprestou US$ 10 bilhões em abril do ano passado. Segundo um estudo realizado pelo economista Jonathan Báez Valencia, no ano passado, houve uma redução de 36% do orçamento em saúde no país.

:: Argentina defende isolamento e aposta em saúde pública para combater coronavírus :: 

As medidas de austeridade aplicadas pelo governo de Moreno somam-se à ausência de medidas efetivas, tanto por parte do governo federal quanto dos governos locais, para que a população do estado cumpra o toque de recolher instaurado há duas semanas.

O país conta atualmente com 46% de trabalhadores informais, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística e Censo (INEC) e a falta de subsídios do governo para proteger a renda destes trabalhadores em meio à pandemia leva a população local de Guayaquil a realizar suas atividades normalmente como forma de garantir seus salários, posto que a maior parte dos trabalhadores atua no comércio.

Desta forma, com ausência de medidas econômicas e sanitárias, o governo optou pela militarização da província de Guayas. Em 24 de março, o estado foi declarado como Zona de Segurança Nacional e agora é comandado em conjunto pelo governador, Pedro Pablo Duarte, o comandante das Forças Armadas, Luís Lara, e o vice-ministro da Saúde, Ernesto Carrasco.

:: Brasileiros contam como pandemia está alterando cotidiano de países da América do Sul ::

Diante deste cenário, foi formada uma articulação composta por movimentos populares, organizações políticas e de direitos humanos, com a colaboração da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e a Defensoria Pública, para acompanhar a situação na cidade de Guayaquil. Em uma nota divulgada nesta quinta-feira (2), a articulação denuncia que há casos de violação dos direitos humanos no contexto da militarização, com violência policial contra a população e abandono dos mais vulneráveis e pobres por parte do Estado.

“Falta alimentos, medicamentos, máscaras e luvas, e estamos dando visibilidade à falta de competência estatal e abandono destes setores que estão vivendo uma situação extrema”, aponta a nota. 

A Defensoria Pública e os movimentos populares, indígenas e camponeses do país também denunciam que o governo de Lenín Moreno priorizou o pagamento da dívida externa em detrimento dos investimentos em saúde neste momento de emergência sanitária.

:: Fernando Atria: pandemia e quarentena fortalecerão processo constituinte no Chile ::

Embora o FMI e o Banco Mundial tenham recomendado a suspensão do pagamento de dívidas externas diante da crise do coronavírus, o governo equatoriano destinou, no dia 24 de março, US$ 325 milhões para o pagamento de títulos de dívida externa, contrariando o pedido da Assembleia Nacional do país e de economistas para que investissem estes recursos no Ministério da Saúde.

Três dias antes, em 21 de março, a então ministra de Saúde, Catalina Andramuño, renunciou ao cargo por considerar que o país não contava com os recursos necessários para enfrentar a pandemia.

Edição: Vivian Fernandes


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Estado do Rio de Janeiro teve R$ 6,1 bilhões roubados em 20 anos de corrupção

Os esquemas de corrupção no Rio de Janeiro, conhecidos como propinodutos movimentaram, segundo denúncias, mais de R$ 6,1 bilhões desde 1999

É possível ganhar a vida com apostas esportivas?

Quem nunca sonhou em ganhar muito dinheiro todos os meses sem fazer muito esforço? Não é à toa que as apostas desportivas online estão a crescer rapidamente em todo mundo.
>

Últimas Notícias

Estado do Rio de Janeiro teve R$ 6,1 bilhões roubados em 20 anos de corrupção

Os esquemas de corrupção no Rio de Janeiro, conhecidos como propinodutos movimentaram, segundo denúncias, mais de R$ 6,1 bilhões desde 1999

É possível ganhar a vida com apostas esportivas?

Quem nunca sonhou em ganhar muito dinheiro todos os meses sem fazer muito esforço? Não é à toa que as apostas desportivas online estão a crescer rapidamente em todo mundo.

Vídeo: Tiroteio entre Terceiro Comando Puro (TCP) e o Comando Vermelho paralisa Avenida Brasil

Motoristas que passavam pela Avenida Brasil, na altura de Parada de Lucas, na tarde deste sábado, q9, entraram em pânico por conta de um intenso tiroteio

Coronavírus: Rio de Janeiro chega a 17.634 óbitos e 251.261 casos confirmados

Há ainda 403 óbitos em investigação e 354 foram descartados. Entre os casos confirmados, 228.258 pacientes se recuperaram da doença

Estado do Rio de Janeiro teve R$ 6,1 bilhões roubados em 20 anos de corrupção

Os esquemas de corrupção no Rio de Janeiro, conhecidos como propinodutos movimentaram, segundo denúncias, mais de R$ 6,1 bilhões desde 1999

É possível ganhar a vida com apostas esportivas?

Quem nunca sonhou em ganhar muito dinheiro todos os meses sem fazer muito esforço? Não é à toa que as apostas desportivas online estão a crescer rapidamente em todo mundo.

Resultados dos jogos de hoje do Brasileirão Assaí Série A 2020

Quatro partidas agitam o dia de futebol no Brasileirão:...

Série B: Figueirense sai do Z-4, CSA deixa a lanterna e Cuiabá se isola na liderança

Azulão bateu o Cruzeiro, Dourado levou a melhor diante...

Onze equipes triunfam na estreia da Série D do Brasileirão 2020

Série D do Campeonato Brasileiro teve rodada de abertura...
- Publicidade -